Lucro do BRADESCO cai 27% no 4o tri, para R$1,6 bi

Por Alberto Alerigi Jr. SÃO PAULO (Reuters) - O Bradesco anunciou nesta segunda-feira que seu lucro líquido do quarto trimestre caiu cerca de 27 por cento frente ao mesmo período de 2007 e espera que 2009 seja um ano de crescimento mais lento do crédito.

Reuters |

Entre os itens que afetaram o resultado está um aumento nas provisões para créditos de difícil recuperação diante de um leve aumento na taxa de inadimplência no fim do ano.

"O ano 2009 será de ajustes no Brasil e no mundo", avalia a instituição em relatório. "O PIB doméstico deverá desacelerar para algo próximo a 1,5 por cento."

"Compatível com esse movimento, o estoque total de crédito também deverá crescer em ritmo mais moderado do que o verificado nos últimos anos", acrescenta o relatório.

Apesar disso, "o objetivo do banco este ano segue sendo de priorizar o aumento da carteira de crédito".

O banco não informa previsão para o crescimento da carteira este ano, mas na quinta-feira passada, o presidente do conselho, Lázaro de Mello Brandão, afirmou que ela deve crescer em torno de 15 por cento em 2009, em comparação aos 33,4 por cento do ano passado.

O Bradesco, que deve perder a liderança em ativos do ranking brasileiro de bancos após a fusão do Itaú com o Unibanco, encerrou o quarto trimestre com lucro líquido de 1,605 bilhão de reais, ante 2,193 bilhões de reais um ano antes, quando o balanço do último trimestre foi impulsionado por venda de participação na Bovespa e na BM&F.

Com ajustes, o lucro líquido do quarto trimestre somou 1,806 bilhão de reais ante 1,854 bilhão de reais nos três últimos meses de 2007. No terceiro trimestre, o lucro havia sido de 1,91 bilhão de reais.

Uma pesquisa da Reuters com sete analistas indicava expectativa média de lucro líquido do quarto trimestre de 1,94 bilhão de reais. As estimativas variaram de ganho de 1,72 bilhão a 2,25 bilhões de reais.

O retorno sobre patrimônio líquido médio (Roae), importante indicador de rentabilidade de um banco, fechou 2008 em 23,2 por cento ante 26,3 por cento em 2007.

Já o resultado bruto de intermediação financeira ajustado passou de 16,802 bilhões de reais em 2007 para 18,362 bilhões de reais no ano passado.

PDD

O Bradesco elevou em 31 por cento o saldo final da provisão para dívidas de difícil recuperação (PDD) na comparação com dezembro de 2007, para 10,26 bilhões de reais. Em relação ao terceiro trimestre, o saldo subiu 12,3 por cento.

Segundo o Bradesco, o volume de PDD excedente em relação ao mínimo requerido passou de 1,192 bilhão de reais em setembro para 1,621 bilhão de reais em dezembro do ano passado.

"As despesas com provisão para devedores duvidosos, no quarto trimestre de 2008, variaram 138 milhões de reais, devido, basicamente, ao crescimento do índice de inadimplência total (mais de 90 dias), que apresentou elevação de 0,1 ponto percentual em função da piora do cenário macroeconômico", informou a instituição em comunicado.

Em 2008 como um todo, o banco teve lucro líquido 7,62 bilhões de reais, ante 8,01 bilhões de reais em 2007. Com ajuste, o lucro líquido do ano passado foi de 7,625 bilhões de reais, ante ganho na mesma comparação de 2007 de 7,21 bilhões de reais.

A carteira de crédito cresceu 33,4 por cento, para 215,35 bilhões de reais.

As operações com pessoas físicas totalizaram 73,768 bilhões de reais, aumento de 24,4 por cento, enquanto as operações com pessoas jurídicas foram de 141,577 bilhões de reais, expansão de 38,6 por cento.

O Bradesco encerrou 2008 com 454,41 bilhões de reais em ativos, crescimento de 33,2 por cento em relação ao final de 2007.

(Reportagem adicional de Elzio Barreto; Edição de Renato Andrade e Alexandre Caverni)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG