Londres terá primeira galeria pública de arte botânica do mundo

Por Jeremy Lovell LONDRES (Reuters) - A primeira galeria de arte pública no mundo dedicada a pinturas e gravuras botânicas será aberta no sábado no coração do famoso Kew Gardens, em Londres.

Reuters |

Reunindo parte da grande coleção de arte botânica do próprio Kew e partes da coleção privada da botânica Shirley Sherwood, a galeria oferece um vislumbre singular do mundo das plantas.

'Esta galeria situa a arte botânica no mapa mundial, num momento em que as plantas ganharam importância maior que nunca para nós, devido ao aquecimento global', disse o diretor do Kew, Stephen Hopper.

'A raridade e precisão das imagens expostas vão aumentar a consciência pública da beleza e fragilidade do mundo natural.'

Desde uma gravura de uma mandrágora, feita no século 15, até pinturas modernas de uma beterraba e um coco, a exposição não representa apenas retratos artísticos do mundo das plantas, mas também uma investigação científica sobre elas.

A coleção do Kew Gardens, feita de 200 mil obras de arte e 300 mil livros impressos, sempre esteve disponível para o estudo de botânicos, mas num espaço limitado.

A nova galeria, que recebeu o nome de Sherwood -- que ajudou a levantar boa parte da verba para a construção da nova galeria -- permite que essas obras sejam expostas ao público geral pela primeira vez.

Sherwood, cuja coleção própria de 700 obras de 232 artistas é considerada a melhor coleção particular de arte botânica no mundo, disse na abertura da galeria que ela 'celebra o renascimento mundial da arte botânica'.

Cercada pelos jardins de Kew, a oeste de Londres, a galeria vem juntar-se à coleção de mais de 40 edifícios históricos situados nos 132 hectares de parque.

Os visitantes cansados de caminhar ao ar livre ou nas estufas podem percorrer a nova galeria para ter uma visão diferente da flora mundial.

Kew Gardens, cuja organização irmã Wakehurst Place, ao sul de Londres, abriga o Banco de Sementes do Milênio, é um Patrimônio Cultural Mundial, com 250 anos de história e credenciais científicas mundialmente respeitadas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG