LLX: duplicação do Porto Sudeste depende da demanda

O diretor-presidente da LLX, Otávio Garcia Lazcano, afirmou hoje que a duplicação do Porto Sudeste para 100 milhões de toneladas por ano de minério de ferro depende apenas da existência de demanda. O projeto, que recebeu hoje licença de instalação do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) do Rio de Janeiro, começa a operar, em uma primeira fase, com capacidade para 50 milhões de toneladas por ano.

Agência Estado |

"Tecnicamente, o porto consegue suportar mais do que isso. Chegar aos 100 milhões de toneladas depende apenas de nossa capacidade de negociação de contratos", afirmou Lazcano, em teleconferência com analistas. O início das obras está previsto ainda para este semestre, com entrada em operações estimada para o segundo semestre de 2011. Lazcano informou que o orçamento da obra, estimada em US$ 740 milhões, está mantido e que a empresa ainda negocia financiamento com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O Porto Sudeste terá como âncora a produção de minério de ferro da MMX Mineração e Metálicos em Minas Gerais e está sendo apresentado a outras mineradoras da região como solução logística para o escoamento de sua produção.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG