Livro resume 30 mil anos de arte em mil obras

MADRI ¿ Mostrar o universo visual das grandes civilizações desde o ano 28 mil antes de Cristo até os dias de hoje, ou seja, quão curiosa é a evolução da História da Arte mundial, foi o objetivo de Amanda Renshaw no livro 30,000 Years of Art (30 mil anos de arte, em tradução livre).

EFE |

A diretora-chefe da editora Phaidon, em colaboração com 34 especialistas em diversas áreas da História da Arte, realizou este projeto ambicioso, para o qual foram escolhidas mil obras de arte em nível global.

O "30,000 Years of Art" dedica uma página a cada uma das peças selecionadas, incluindo uma fotografia colorida e uma contextualização da obra com um curto texto, uma fórmula que consegue que o volume seja uma ferramenta prática de instrução.

"Com uma finalidade educativa", ressaltou Renshaw em entrevista à Agência Efe, para que "seja possível olhar a arte como algo que seja divertido e interessante". E, para isso, trabalharam em "organizar a informação para os que já sabem e para os que não" conhecem nada sobre arte.

Também "queríamos que o livro fosse uma ferramenta útil, para que as crianças e estudantes vissem as diferentes culturas", porque "pode-se encontrar toda a informação na internet", mas "30,000 Years of Art" "organiza de forma muito simples" a História da Arte.

"Todo o livro tem uma linha" que segue os passos do livro "The Art Book", editado pela Phaidon em 1994 e com o qual já houve uma primeira tentativa de organizar a História da Arte "com uma nova ideia, um novo caminho, de forma muito simples, mas incomum".

Neste novo e enorme livro, é possível ver "como, em diferentes culturas, as pessoas estão fazendo coisas no mesmo período de tempo", algo que o volume reflete através "das diferenças e das semelhanças" das mil peças do modo que aparecem.

"O mundo paralelo", como Renshaw qualificou o fato de "o ser humano criar no mundo todo", o que torna interessante "falar das semelhanças e as influências das obras de arte" em um contexto tão amplo.

Como indicou a editora, "tradicionalmente a arte se estuda sempre em campos paralelos; você aprende de arte na Índia ou na China, mas nunca juntas". Isso é o que "30,000 Years of Art" tenta mostrar: a criação artística em diversos lugares e civilizações por ordem cronológica.

Assim, "são compilados todos os diferentes movimentos e culturas de todo o mundo", já que, afirma Renshaw: "escolhemos as obras de arte realmente representativas de todas as culturas. Organizamos elas em ordem cronológica e vemos o que acontece na mesma época".

O livro expõe mil obras de arte desde a Antiguidade até a era atual, um "número que foi muito difícil de manter", mas que "é o número correto", segundo Renshaw, que explicou que houve um grande debate sobre incluir outras obras e se chegava às 1.010.

"A maioria das peças foram selecionadas por 34 especialistas de diferentes áreas, entre eles professores de universidade, historiadores de arte, escritores e críticos de diversas nações", que escolheram as que, a seu ver, "marcaram a História da Arte", afirmou Renshaw.

"30,000 Years of Art" ajuda a seguir o lema de Renshaw: quanto mais se ler ou ver sobre a história, melhor se poderá entender a arte. Algo aplicado a este livro que, por sua singularidade e fácil colocação, é uma ferramenta para o que se considera como educar o olhar.

(Reportagem de Belém Palanco)

    Leia tudo sobre: arte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG