Lista mostra que mais 6 tomaram remédio que matou 9 pessoas em MG

Os nomes seriam de moradores da zona rural de Teófilo Otoni e cidades vizinhas

AE |

selo

Investigadores da polícia civil mineira encontraram nesta quarta-feira, durante buscas na farmácia interditada Fórmula Pharma, em Teófilo Otoni, uma lista com seis novos nomes de clientes que teriam consumido o vermífugo manipulado secnidazol, que teria provocado a morte de nove pessoas na região do Vale do Mucuri. Os nomes seriam de moradores da zona rural de Teófilo Otoni e cidades vizinhas.

Também foram recolhidos na operação computadores, documentos, medicamentos e substâncias psicotrópicas proibidas. O número de mortos chegou a nove nesta quarta-feira .

O secretário de Saúde de Minas Gerais, Antônio Jorge de Souza, disse à reportagem que o proprietário da farmácia, Henrique Luiz Portilho, não está contribuindo em nada com as investigações. "A conduta dele tem sido muito ruim. Havia essa lista e ele não comunicou às autoridades", afirmou o secretário. Antônio Jorge disse ainda que a secretaria recebeu denúncias de que a prática de estocar medicamentos manipulados, que é proibida por lei, não é exclusiva da Fórmula Pharma na região. A denúncia motivou uma operação nas farmácias de cidades vizinhas de Teófilo Otoni, e uma unidade chegou a ser interditada no município de Itambacuri, nesta quarta-feira.

Entenda o caso: Oito pessoas morrem após tomarem medicamento manipulado em MG

O depoimento de Portilho, previsto para ocorrer hoje à tarde não ocorreu. Ele chegou a comparecer à delegacia local, mas foi embora assustado com a intensa movimentação da imprensa. A farmacêutica responsável pelos medicamentos da Fórmula Pharma, Anne Nascimento Pinheiro, e o gerente da empresa, Lucas Portilho, irmão do proprietário, disseram à delegada Herta Coimbra que seguiam todos os procedimentos legais na manipulação dos medicamentos. Eles saíram da delegacia escondendo o rosto e sem dar declarações.

A advogada de Portilho, Cleide Francisco de Carvalho, disse aos jornalistas que não descarta a possibilidade de sabotagem na farmácia e que a fórmula do medicamento tenha sido alterada propositalmente. Uma amiga do empresário afirmou à reportagem que ele e a família estariam em estado de choque e chorando muito.

A principal suspeita é que a matéria-prima do medicamento tenha sido trocada. Segundo a Secretaria de Saúde, pelos sintomas das pessoas que morreram, há possibilidade de elas terem ingerido anti-hipertensivo (metaprolol) em uma dosagem até 40 vezes maior que o indicado. Os sintomas são queda de pressão arterial (hipotensão), batimento cardíaco reduzido (braquicardia), dor no peito, arroxeamento da pele (cianose) e sensação de desmaio.

    Leia tudo sobre: teofilo otoniremédio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG