Acordo Ortográfico hspace=4 src=http://images.ig.com.br/educacao/reforma_140x75.gif align=left vspace=3 border=0 SÃO PAULO - Acusado pelo sequestro e morte da jovem Eloá Pimentel, Lindemberg Alves recebeu neste sábado pela manhã a visita de duas mulheres, na penitenciária José Augusto César Salgado em Tremembé, interior de São Paulo. Em um Monza, quatro pessoas - três mulheres e um homem - chegaram ao presídio às 8h50 e negaram ser parentes do jovem, quando indagados por jornalistas." / Acordo Ortográfico hspace=4 src=http://images.ig.com.br/educacao/reforma_140x75.gif align=left vspace=3 border=0 SÃO PAULO - Acusado pelo sequestro e morte da jovem Eloá Pimentel, Lindemberg Alves recebeu neste sábado pela manhã a visita de duas mulheres, na penitenciária José Augusto César Salgado em Tremembé, interior de São Paulo. Em um Monza, quatro pessoas - três mulheres e um homem - chegaram ao presídio às 8h50 e negaram ser parentes do jovem, quando indagados por jornalistas." /

Lindemberg recebe a visita de duas mulheres

http://educacao.ig.com.br/acordo_ortografico/Acordo Ortográfico hspace=4 src=http://images.ig.com.br/educacao/reforma_140x75.gif align=left vspace=3 border=0 SÃO PAULO - Acusado pelo sequestro e morte da jovem Eloá Pimentel, Lindemberg Alves recebeu neste sábado pela manhã a visita de duas mulheres, na penitenciária José Augusto César Salgado em Tremembé, interior de São Paulo. Em um Monza, quatro pessoas - três mulheres e um homem - chegaram ao presídio às 8h50 e negaram ser parentes do jovem, quando indagados por jornalistas.

Agência Estado |

Apenas duas mulheres tinham autorização para visitar Lindemberg que está em uma cela, no Pavilhão 1. O homem que integrava o grupo e a outra mulher saíram do local. Depois que as duas mulheres entraram no presídio, funcionários confirmaram que eram visitas para Lindemberg.

O caso

Futura Press
Amigas Eloá e Nayara/ Arquivo pessoal
Amigas Eloá e Nayara/ Arquivo pessoal
O sequestro começou na segunda-feira (13) e se prolongou até sexta-feira, tendo durado mais de 100 horas. Lindemberg invadiu o apartamento de Eloá por volta das 13h30, por estar inconformado com o fim do relacionamento com a estudante.

Na terça-feira, ele libertou a amiga da ex-namorada, Nayara, que foi rendida novamente na manhã de quinta-feira. Seu retorno foi um pedido do sequestrador como condição para a libertação de Eloá, mas, quando a menina entrou no apartamento, tornou-se refém.

Pouco antes do desfecho do sequestro, a equipe do Batalhão de Choque da PM estava posicionada no apartamento ao lado onde estavam Lindembergue e as reféns. De acordo com a polícia,  na sexta-feira, os agentes decidiram invadir o apartamento após ouvirem um disparo.

Os policiais arrombaram a porta do apartamento e explodiram uma bomba de efeito moral. Segundo o coronel Eduardo José Félix, comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar, neste momento a equipe ouviu três disparos vindos de dentro do apartamento. Ao invadirem o local, exatamente às 18h08, os policiais encontraram o seqüestrador de pé, entre a sala e a cozinha. Eloá estava caída baleada na cabeça e Nayara estava com um ferimento na boca.

A primeira a sair do apartamento foi Nayara, que saiu caminhando e foi colocada numa ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Lindembergue foi levado para uma viatura da Força Tática. A ex-namorada de Lindembergue saiu carregada por um policial e foi levada numa maca até a ambulância do Samu.


Veja a retrospectiva do caso

Leia também:

    Leia tudo sobre: caso eloá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG