Lindemberg depõe por quase duas horas no interior de São Paulo

TREMEMBÉ - O jovem Lindemberg Alves, acusado de matar a ex-namorada Eloá Pimentel, de 15 anos, foi ouvido na tarde desta segunda-feira pelo delegado assistente da seccional de Taubaté, Marcos Rogério Machado. Representando a Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo, Machado conversou por cerca 1h30 com o jovem, que está preso há cinco meses na Penitenciária II de Tremembé, a 147 km de São Paulo.

Agência Estado |

O depoimento faz parte do processo que investiga se Lindemberg foi ou não agredido por policiais militares para dar entrevista à uma emissora de TV, por celular, logo após sua prisão.

As denúncias dos seus advogados contra os policiais são de agressão e coação. O jovem teria sido forçado a passar, pelo celular, informações a respeito do sequestro que culminou com a morte da jovem Eloá. A Corregedoria quer saber como e porque o acusado falou ao celular com um jornalista e em quais condições.

De acordo com a advogada dele, Ana Lúcia Assad, há provas das agressões feitas pelos policiais. Ana Lúcia também aguarda a deliberação sobre o pedido de habeas-corpus para que o jovem aguarde pelo julgamento em liberdade.

O caso

O crime aconteceu em outubro do ano passado. Lindemberg manteve a ex-namorada refém por quase cem horas, junto com a amiga Nayara Silva, por não se conformar com o fim do relacionamento. Ele responde por homicídio, e tentativa de homicídio contra Nayara e um policial militar, além de cárcere privado. Há dois meses a ação contra o jovem está suspensa, já que seus advogados também pedem que a mesma seja anulada.

Leia mais sobre: Caso Eloá

    Leia tudo sobre: caso eloá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG