Presidente da Organização indígena do noroeste de Mato Grosso disse que invasão foi única forma de obter acordo com governo e empresa

nullO presidente da organização indígena do noroeste de Mato Grosso, Jair Tsaibatatse, disse ao iG que a invasão do canteiro de obras da usina hidrelétrica de Dardanelos, no município de Aripuanã (1000 km a noroeste de Cuiabá-MT), foi a única saída encontrada para que os índios obtivessem compensações pelo impacto ambiental gerado pela obra. Apesar de considerar a invasão um sucesso, ele disse esperar que algo semelhante não volte a acontecer.

"Está tudo resolvido, está feito o acordo. Fizeram o compromisso e vamos esperar cumprir. Espero que nunca mais aconteça isso", disse.

Jair ainda disse que há mais de um ano os indígenas lutavam por uma compensação devido à usina ter sido construída num terreno que abriga um cemitério indígena. "Tivemos que invadir devido ao fato de que desde a época... a comunidade, a etnia Arara e Cinta-Larga, eles queriam que pagasse a compensação do impacto que estava dando".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.