Lévi-Strauss, um dos grandes pensadores do século XX

Paris, 3 nov (EFE).- O antropólogo francês Claude Gustave Lévi-Strauss, que morreu no sábado aos 100 anos, segundo anunciou hoje a editora Plon, é considerado o pai do estruturalismo e um dos grandes pensadores do século XX.

EFE |

Lévi-Strauss nasceu em Bruxelas em 28 de novembro de 1908, dentro de uma família de intelectuais franceses de origem judaica.

Estudou direito e se formou em filosofia na Universidade de Sorbonne em 1931.

Após uma breve passagem pela docência no ensino secundário, Lévi-Strauss foi nomeado membro de uma missão universitária no Brasil e, de 1935 a 1939, foi professor na Universidade de São Paulo.

Durante este período, organizou e dirigiu várias expedições etnográficas ao Mato Grosso e Amazônia, e estudou também as tribos indígenas do norte e do sul do continente americano.

De volta à França, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, participou dos esforços de guerra de 1939 a 1940, até que abandonou esse país para ir aos Estados Unidos, onde lecionou na New School for Social Research de Nova York, entre 1942 e 1945.

Em 1944, foi chamado à França pelo Ministério de Assuntos Exteriores, mas, no ano seguinte, voltou aos Estados Unidos para ocupar as funções de conselheiro cultural na embaixada francesa em Washington, cargo que abandonou em 1948 para se dedicar ao trabalho científico.

Em 1949, foi nomeado subdiretor do Museu do Homem e, em 1950, como diretor de estudos na Escola Prática de Altos Estudos.

Depois, foi nomeado professor no Collège de France, onde exerceu como catedrático de antropologia social, cátedra que ocupou de 1959 e até aposentadoria, em 1982.

Lévi-Strauss transformou a etnologia contemporânea e elaborou um método original, reunindo o método estrutural e a contribuição da psicanálise para interpretar os mitos, descobrir os grandes sistemas de pensamento e explicar o funcionamento social.

Este foi o método usado para estudar a organização social dos indígenas no Brasil e do norte e sul da América. Foi vital seu encontro em 1941 com o linguista americano Roman Jakobson, após o que decidiu aplicar o estruturalismo aos fenômenos humanos, começando pelo parentesco.

Autor de vários livros, publicou em 1949 "As Estruturas Elementares do Parentesco" e, de suas expedições pelo Brasil, nasceu em 1955 sua obra "Tristes Trópicos", considerado um texto fundamental da etnologia contemporânea.

Em 1958, foi lançado "Antropologia Estrutural"; em 1962, publicou "O Pensamento Selvagem"; em 1964, "O Cru e o Cozido"; e, em 1967, "Do Mel às Cinzas". Também publicou, em 1993, "Olhar, Escutar e Ler".

Ao longo de sua carreira, conseguiu uma grande popularidade, além de contar com o reconhecimento acadêmico.

Em 1973, foi eleito membro da Academia Francesa, onde ocupou o assento que antes foi de Henry de Montherlant.

Detentor da Grã-Cruz da Legião da Honra desde 1992, era também membro estrangeiro da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, da Academia Americana e do Instituto de Artes e Letras, também nos Estados Unidos.

Era doutor "honoris causa", entre outras, das universidades de Bruxelas, Oxford (Inglaterra), Chicago (Estados Unidos), Stirling (Escócia), Montreal (Canadá), da Universidade Nacional Autônoma do México, da Universidade Laval do Québec, assim como de Yale, Harvard, Johns Hopkins e Columbia, nos Estados Unidos.

Em 1966, recebeu a medalha de ouro e o prêmio da Fundação Viking, concedido pelo voto internacional de etnólogos; e, em 1967, conseguiu a medalha de ouro de Centro Nacional de Pesquisa Científica da França.

Em 28 de novembro de 2008, por ocasião de seus 100 anos, recebeu a homenagem do mundo da cultura e da ministra da Cultura francesa da época, Christine Albanel, foi inaugura uma placa em sua honra no museu Quai Branly de Paris. EFE doc-jaf/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG