Lei antitabaco reduz internações por ataque cardíaco

Leis que proíbem cigarro em locais públicos diminuem as internações decorrentes de ataques cardíacos. É o que mostra uma revisão de 50 estudos divulgada pela Colaboração Cochrane nesta semana.

Agência Estado |

O trabalho representa a primeira análise sistemática do efeito das legislações antitabagistas aplicadas em 13 países.

"Isso deveria encorajar outras nações a fazer o mesmo", afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo a líder do grupo responsável pela revisão, Cecily Kelleher, da University College Dublin, na Irlanda. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que o tabaco seja a segunda maior causa de mortalidade do mundo: 10% dos adultos morrem em decorrência do uso.

A Colaboração Cochrane reúne dados de pesquisas para elaborar revisões sistemáticas que gozam de grande prestígio na comunidade médica. "Estudos assim são muito importantes", aponta a consultora da OMS, Stella Bialous. "Política de saúde séria é feita com evidências científicas: esta revisão deixa claro o consenso sobre o tabaco."

Há grande discrepância na metodologia das pesquisas incluídas na revisão, o que prejudicou a unificação das estatísticas e a apresentação de porcentuais que resumissem todas as conclusões. Mas, para os autores, as evidências são claras: as medidas realmente diminuem a exposição ao fumo passivo no ambiente de trabalho e demais espaços públicos. Profissionais que trabalham em bares e restaurantes são os mais beneficiados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG