Laudo aponta desvio de droga apreendida em Itu-SP

Laudo produzido pelo Núcleo de Criminalística da Polícia Federal (PF) em São Paulo indica que os cinco fardos de cocaína pura apreendidos por policiais do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) em setembro de 2003 no aeroclube de Itu, no interior de São Paulo, tinham entre 128,4 quilos e 156 quilos. A quantidade estimada é no mínimo 30,4 quilos maior do que a equipe chefiada pelo delegado Robert Leon Carrel diz ter encontrado no avião usado pelos traficantes (98 quilos).

Agência Estado |

O policial hoje é chefe da Divisão de Administração do Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo (Demacro), unidade responsável pelas delegacias da região metropolitana. O suposto sumiço do entorpecente levou Carrel, o também delegado Luiz Henrique de Moraes e os investigadores Ricardo Ganzerla e Cleuber Gilson Bueno para a cadeia em junho de 2008. A ordem de prisão foi expedida pela 29ª Vara Criminal da capital, que acolheu na íntegra a acusação de tráfico de drogas e peculato. Os policiais foram soltos 24 dias depois por habeas corpus do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Os peritos federais realizaram duas simulações distintas para indicar o provável peso do carregamento de entorpecente - uma com a droga não compactada e outra com o entorpecente prensado, como provavelmente foi transportado. A conclusão do primeiro ensaio é de "massa não menor que 128,4 kg". O segundo apontou "massa não menor que 156 kg".

A PF analisou ainda a viabilidade técnica de o monomotor Cessna 210 ter decolado com 200 quilos de cocaína, peso anunciado em nota distribuída pelo Denarc no dia da apreensão e reproduzida no site da Secretaria da Segurança Pública. "Diante de tal configuração da aeronave, o transporte de 200 kg de cocaína, distante ainda cerca de 70 kg do máximo comportado, é plenamente factível", diz o laudo, na folha 10.

Divergências

O pedido de auxílio da perícia federal partiu do Ministério Público Estadual (MPE). Desde o início das investigações, defesa e acusação divergem sobre a quantidade de droga apreendida. O perito Ricardo Molina, assistente técnico do MPE, sustenta que a aeronave levava cerca de 200 quilos de cocaína. O parecer de Molina foi feito por meio de comparação de imagens, tendo como referência reportagens veiculadas pelas TVs. O piloto Pierre Delannoy, um dos quatro presos na operação em Itu, afirma que o carregamento era de 300 quilos.

A pedido da Corregedoria de Polícia Civil, que na ocasião instaurou procedimento para apurar a atuação dos policiais, o Instituto de Criminalística também se manifestou sobre o caso. O laudo assinado pelos peritos Osvaldo Negrini e Marcelo Voloch faz duras críticas ao trabalho de Molina. "Mensurações em imagens para comparar algo de tamanha seriedade são, no mínimo, irresponsáveis", escreveram. O texto afirma que o assistente técnico do MPE "confundiu alhos com bugalhos".

A técnica de comparação adotada pela PF foi a mesma de Molina. Ao contrário dele, que usou pacotes com farinha de trigo para compor o cenário da apreensão, os peritos federais tiveram autorização da Justiça para usar 100 tijolos de cocaína prensada. Simulacros com dimensão e massa idênticas aos tijolos de cocaína interceptados pelo Denarc foram confeccionados para se atingir o suposto peso da carga.

Contestação

O advogado Daniel Bialski, que defende o delegado Robert Leon Carrel, vai contestar judicialmente o resultado do laudo produzido pela PF. "No 17º quesito formulado pela defesa, os próprios peritos dizem ser ‘impossível realizar uma avaliação definitiva do peso do material apreendido’", destaca Bialski. "Isso acaba com o processo".

Ele também aponta erros nas medições feitas pela PF. "Os peritos dimensionaram os simulacros de modo maior do que eles realmente eram. Essa estrutura de cálculo está equivocada e vamos demonstrar isso", afirmou.

Nesta semana, o advogado juntará aos autos um laudo particular, além de pedido para que a PF refaça a perícia. "O que foi encontrado de droga dentro do avião foi integralmente apreendido. Essa história de desvio é uma falácia." Bialski afirma que o peso bruto da apreensão, que inclui o material usado para embalar a droga, girou em torno de 110 quilos.

O advogado Adriano Salles Vanni, que defende os investigadores, não retornou a ligação. O defensor de Moraes não foi localizado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG