Lago artificial formado no Complexo do Alemão desperta atenção de curiosos

Um lago artificial que se formou no parque Serra da Misericórdia, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, tem chamado a atenção de moradores e visitantes. Localizado no alto do Morro do Caricó e com cerca de 12 mil metros quadrados, o ¿Piscinão do Alemão¿ está localizado em uma pedreira e pode ter sido formado pelo acúmulo da água da chuva ou por um lençol freático, cuja existência ainda não foi confirmada.

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro |

Nesta quarta-feira, o presidente da Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (EMOP), Ícaro Moreno, visitou o local para avaliar a possibilidade de inclusão do lago artificial no projeto de urbanização do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na Serra da Misericórdia. Para ele, o projeto é pouco provável.

Ascom Inea

Águas cristalinas do lago artificial chamam a atenção de quem passa pelo local

"O lago é muito bonito e seria ótimo que a população pudesse desfrutar dele. Mas se trata de uma área particular", avaliou. "Continuamos estudando a possibilidade, mas temos que avaliar o custo que isso representa para a preservação de recursos públicos", completou.

De acordo com a EMOP, o Piscinão do Alemão está nas dependências do Grupo Lafarge, que administra a pedreira há 17 anos. No local é feita a extração de brita, pedra usada na fabricação de concreto.

Ascom Inea

Com o calor do Rio, moradores do Complexo do Alemão aproveitam o lago

A Lafarge informou que a água acumulada é de chuva e não existe um lençol freático no terreno. Segundo a empresa, o local é formado apenas por pedras e, por isso, a água não tem como escoar.

Desde o dia 7 de fevereiro, a pedreira estava desativada porque três operários foram mortos por traficantes do Complexo do Alemão ao chegar para trabalhar. Eles teriam sido confundidos com criminosos de uma facção rival. Os trabalhos na pedreira e a drenagem da água só foram retomados no fim de fevereiro.

Ascom Inea

Cratera onde fica o "piscinão" antes dela ser tomada pela água

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou que as fotos divulgadas do Piscinão do Alemão seriam anteriores à retomada dos trabalhos. O Grupo Lafarge informou por meio de nota que apenas credenciados pela empresa podem entrar no terreno.

Nesta quarta-feira, os trabalhos na pedreira foram suspensos novamente em virtude de um novo caso de violência envolvendo um funcionário de uma empresa prestadora de serviços. Josimar Batista Andrade trabalhava como vigia e foi baleado na mão. O Grupo Lafarge disse que irá entrar em contato com as autoridades para discutir soluções que garantam a segurança de seus funcionários no local. 

Leia mais sobre: Piscinão do Alemão

    Leia tudo sobre: piscinãopiscinão do alemão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG