Lafarge recebe ativos da Votorantim e dobra no Brasil

Por Alberto Alerigi Jr. SÃO PAULO (Reuters) - A Lafarge, maior produtora de cimento do mundo, vai dobrar de tamanho no Brasil em julho, quando assumirá ativos da Votorantim oriundos da venda de sua participação na cimenteira portuguesa Cimpor.

Reuters |

A companhia francesa, que produziu e vendeu no ano passado cerca de 3,5 milhões de toneladas de cimento no Brasil, passará a contar com uma capacidade produtiva de 7 milhões de toneladas anuais no país com a incorporação de 3 unidades da Votorantim: fábrica Cipasa, na Paraíba; estação de moagem de Aratu, na Bahia; e estação de moagem de Cocalzinho, em Goiás.

Com isso, a Lafarge sairá da sexta posição entre os maiores fabricantes de cimento do país para integrar o grupo das três maiores empresas do setor, ao lado da própria líder Votorantim.

Antes da troca da participação de 17,28 por cento na Cimentos de Portugal (Cimpor) pelas três unidades da Votorantim, a Lafarge tinha uma expectativa de produção e vendas de 3,7 milhões de toneladas no Brasil em 2010.

Agora, a estimativa anualizada é de cerca de 6 milhões de toneladas, disse à Reuters o diretor de marketing, comercialização e logística da Lafarge no Brasil, Rogério Silva.

Segundo ele, o mercado brasileiro de cimento está apresentando forte desempenho este ano em virtude da expansão da economia e de programas governamentais.

"O nível de emprego está bastante bom, há aumento da renda e também aumento nos financiamentos, redução de impostos, o próprio PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e o programa 'Minha Casa, Minha Vida'", disse o executivo.

A expectativa da Lafarge é que o mercado brasileiro de cimento crescerá 7 por cento em 2010, após vendas de cerca de 52 milhões de toneladas em 2009.

O acordo com a Votorantim envolve ainda contratos de longo prazo de fornecimento de escória siderúrgica no Rio de Janeiro, além de clínquer (principal componente do cimento), para as estações de moagem.

O acerto foi feito em meio à fracassada oferta de compra da portuguesa Cimpor pela CSN. A Votorantim e a Camargo Corrêa entraram na disputa e acabaram por comprar fatias de 21,2 por cento e de 31 por cento na Cimpor, respectivamente.

As operações fizeram com que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) acertasse acordos de reversibilidade das transações com as duas empresas brasileiras enquanto avalia possíveis problemas à concorrência no Brasil --já que a Cimpor tem presença relevante no país.

De acordo com o diretor da Lafarge no Brasil, a transferência dos ativos da Votorantim para a empresa francesa é "irreversível".

Após assumir as unidades da Votorantim, a Lafarge terá unidades produtivas em seis Estados do país. O grupo francês investirá 60 milhões de reais no Brasil em 2010 em projetos de melhorias de produtividade de suas cinco unidades de cimento já existentes.

Segundo ranking mais recente do Sindicato Nacional da Indústria de Cimento, de 2008, a Lafarge ocupava a sexta posição entre os maiores fabricantes de cimento do Brasil, com 3,43 milhões de toneladas. A Votorantim registrou produção e vendas de 21,3 milhões de toneladas, seguida por João Santos, com 6,48 milhões de toneladas.

A Lafarge está presente no Brasil desde 1959 e a base de funcionários de 1,2 mil será ampliada em 297 pessoas que serão transferidas da Votorantim.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG