causem mais mortes na periferia, a gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) montou um plano de emergência para remover, até o final do ano, 7 mil famílias que moram na beira de córregos. Kassab anunciou um aporte inicial de R$ 440 milhões no Orçamento 2010 para ações antienchente." / causem mais mortes na periferia, a gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) montou um plano de emergência para remover, até o final do ano, 7 mil famílias que moram na beira de córregos. Kassab anunciou um aporte inicial de R$ 440 milhões no Orçamento 2010 para ações antienchente." /

Kassab planeja tirar 7 mil famílias de beira de córregos

Com receio de que as chuvas http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2010/01/22/chuva+causa+mortes+na+grande+sao+paulo+9372359.html target=_topcausem mais mortes na periferia, a gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) montou um plano de emergência para remover, até o final do ano, 7 mil famílias que moram na beira de córregos. Kassab anunciou um aporte inicial de R$ 440 milhões no Orçamento 2010 para ações antienchente.

Agência Estado |

AE
alt
Na última chuva, três pessoas morreram no local" src="http://publicador06.brti.com.br/publicador/bancoimagem/resizeimagem?codimg=7468053&maxDim=250" proporcao="0.75"
Kassab em visita ao Grajaú, na quinta-feira.
Na última chuva, três pessoas morreram no local
Serão R$ 250 milhões para o programa de reurbanização de favelas, R$ 150 milhões para o programa de recuperação de mananciais, R$ 30 milhões para a limpeza urbana (coleta do lixo e varrição) e R$ 10 milhões para o recapeamento de ruas.

Entre as ações previstas, estão a construção de 3.500 moradias populares em parceria com o Estado, a reurbanização de bairros inteiros construídos às margens do Rio Tietê, das Represas Guarapiranga e Billings e de 56 córregos e a construção de 18 parques lineares.

A verba adicional soma-se aos R$ 230 milhões já reservados para a limpeza de córregos, instalação de galerias novas no lugar de tubulações com mais de meio século e obras de drenagem nas vias que alagam toda semana há mais de 40 dias. Mas, para estancar a crise criada pelo caos das sucessivas enchentes que atingem a capital desde dezembro, o prefeito teve de contingenciar R$ 2 bilhões do Orçamento aprovado no fim do ano pela Câmara, fixado em R$ 27,9 bilhões.

Como já ocorrera em 2009, por causa da crise financeira, o Executivo vai represar recursos para novos projetos e de serviços em geral, como vigilância, limpeza de prédios públicos e aquisição de materiais para as secretarias - com exceção das pastas de Saúde, Educação e Transporte. As 980 emendas apresentadas pelos parlamentares também foram congeladas, num total de R$ 280 milhões. O prefeito, contudo, descartou corte na previsão mensal de R$ 10 milhões para a publicidade do governo e reservou mais R$ 200 milhões para subsídios às viações de ônibus, verba que depende da conclusão da concorrência para o gerenciamento do bilhete único. Foram reservados também R$ 48 milhões para o projeto do monotrilho na Avenida Celso Garcia.

O prefeito detalhou os remanejamentos em uma apresentação na Prefeitura que reuniu ontem, durante quase quatro horas, os 28 secretários de governo. Desde o início da semana, Kassab e os secretários tentavam encontrar um plano que pelo menos evite mortes nas enchentes dos próximos anos, o que poderia criar um desgaste político irreversível ao prefeito. Desde dezembro, dez pessoas morreram, só na capital, por causa dos temporais.

Leia também:

Leia mais sobre chuvas

    Leia tudo sobre: chuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG