Kassab deixou de investir R$ 353 milhões contra enchentes em São Paulo

A gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) deixou de investir R$ 353 milhões em obras de combate a enchentes na cidade de São Paulo. De 2006 até hoje, a Prefeitura aplicou apenas 68% da verba prevista no orçamento para ações com esse fim, como canalização de córregos, serviços de drenagem e construção de piscinões.

iG São Paulo |

O levantamento foi realizado pela liderança do PT na Câmara Municipal, com base em dados do NovoSeo - o sistema de acompanhamento de gastos do governo. Procurada pela reportagem, a Prefeitura não se manifestou.

Do R$ 1,1 bilhão reservado para o combate aos efeitos da chuva nos quatro anos, Kassab investiu R$ 751 milhões. Nesse quesito, o pior ano de seu mandato foi o primeiro, quando gastou apenas 39% do orçamento separado para diminuir o número de enchentes. O melhor foi 2008, quando a Prefeitura aplicou acima do previsto: foi gasto 1% a mais do que estava reservado. Neste ano foram investidos até agora R$ 241 milhões dos R$ 329 milhões orçados - o equivalente a 73%.

O tipo de ação mais esquecido pela administração municipal foi a construção de piscinões - as obras dessas estruturas receberam menos de 8% do planejado em orçamento. "A execução orçamentária está muito precária", afirma o vereador Antonio Donato (PT), que integra a Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal. "A Prefeitura tem demonstrado que o combate às enchentes não é prioridade", critica.

Em entrevista, na terça-feira, o prefeito da cidade, Gilberto Kassab,  culpou a natureza pelas enchentes .

AE
Região oeste de São Paulo alagada

Região oeste de São Paulo alagada

Gestão Serra

Já a gestão do governador José Serra (PSDB) investiu menos da metade do previsto em obras na Bacia do Alto Tietê em 2009. O orçamento para este ano é de R$ 188 milhões, mas apenas R$ 71 milhões haviam sido empenhados (reservados para gasto) até outubro.

A situação não vai melhorar no próximo ano, já que o orçamento para 2010 foi reduzido em 61%. A verba estadual para os serviços e obras na bacia do Tietê será de R$ 72,8 milhões.

Um dia de caos

Na terça-feira, São Paulo amanheceu em estado de atenção por causa das fortes chuvas. Com as marginais alagadas devido ao transbordamento dos rios Tietê e Pinheiros, a capital travou. ( veja imagens do caos )

Além do Tietê e Pinheiros, transbordaram o Ribeirão dos Meninos, no Ipiranga, e o Córrego Três Pontes, no Itaim Paulista. Segundo o CGE, pelo menos 89 pontos de alagamentos foram registrados.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, 44 pessoas ficaram ilhadas e tiveram de ser socorridas. Quatro desabamentos foram registrados, sendo dois na zona sul e dois na zona leste. Seis pessoas morreram devido a deslizamentos na região da Grande São Paulo.

Por volta das 15h30, a chuva deu uma trégua, a cidade saiu do estado de atenção, mas os prejuízos ainda eram somados.

Luiz Guarnieri / Futura Press
Marginais ficaram alagadas na terça-feira e travaram SP
    Marginais ficaram alagadas na terça-feira e travaram SP

Recorde de chuva

Segundo informações do Centro de Gerenciamento de Emergências 9cGE), São Paulo registrou na terça-feira o recorde de chuvas dos últimos dois anos. Até as 19h, o CGE calculou 75,8 mm de índice de pluviosidade - o que corresponde a 37,7% da média prevista para dezembro, que é de 201,0mm. Desde o ínicio do mês, foram registrados 143,1 mm de índice de pluviosidade (71,2% da média esperada).

O volume supera os maiores dados registrados nos últimos dois anos, que foram 60,8 milímetros em 29 de janeiro de 2008, e 62,2 milímetros em 19 de dezembro de 2007.

Neste ano, o volume de chuvas mais intenso em São Paulo havia sido registrado no dia 8 de setembro, com média de 60,5mm.

(*com informações da Agência Estado)

    Leia tudo sobre: chuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG