A Justiça Federal de Santa Maria indeferiu o pedido de bloqueio dos bens da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), de seu marido Carlos Crusius e do ex-secretário-geral de governo Delson Martini, feito pelo PSOL na segunda-feira. Em despacho assinado ontem, a juíza Simone Barbisan Fortes afirma que não há investigação criminal pendente contra os três citados na 3ª Vara da Justiça Federal e não figuram como requerentes o Ministério Público Federal ou autoridade policial.

Ela lembra ainda que Yeda, por ter foro privilegiado, só poderia ser julgada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O pedido foi encaminhado pelo PSOL à 3ª Vara da Justiça Federal porque é nela que tramita o processo contra os 33 réus da Operação Rodin, acusados pelo Ministério Público Federal de desviar R$ 44 milhões do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). A direção do partido no Rio Grande do Sul fez a solicitação com base numa carta que o empresário Lair Ferst, um dos réus da Operação Rodin, encaminhou ao Ministério Público Federal descrevendo irregularidades que teriam sido cometidas com conhecimento da governadora. Yeda, Crusius e Martini negam a prática de atos ilícitos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.