Embora a Justiça tenha determinado a suspensão da greve dos rodoviários na região metropolitana de Belo Horizonte, na noite de segunda-feira, o transporte coletivo ainda não está regularizado. Muitas pessoas não conseguiram, pelo segundo dia, chegar ao trabalho.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) informou que já foram bloqueados R$ 2 milhões das contas de três sindicatos dos trabalhadores rodoviários em decorrência da sentença do desembargador Caio Vieira de Mello, que estipulou multa de R$ 300 mil por dia desde o início da manifestação.

AE
Trânsito parado na avenida Cristiano Machado, em Belo Horizonte



Sindicalistas alegam que não foram notificados da decisão da Justiça, o que explicaria o fato de muitos trabalhadores não terem se apresentado hoje nas empresas. O sindicato promete recorrer contra a decisão do TRT.

Mais de 200 ônibus foram depredados no primeiro dia da greve da categoria, que reivindica reajuste de 37% nos salários, jornada de 6 horas, e retorno dos cobradores nas linhas em que a função passou a ser exercida pelo motorista.

Frota nas ruas

AE
Centenas de pessoas se aglomeram nos pontos de ônibus da capital mineira

Na segunda-feira, cerca de 80% dos ônibus estavam parados. Nesta terça-feira, o coordenador político sindicato, Denílson Dorneles, disse ainda não ter um número aproximado de quantos aderiram à greve. Tem empresa que está rodando com 50% da frota, outras 25%, diz.

Prejuízos

Segundo a estimativa do STTRBH, é que a paralisação prejudicou pelo menos 1 milhão de usuários na segunda-feira. Quem também sofreu com a paralisação foram os lojistas. Muitos não conseguiram chegar ao trabalho e as lojas ficaram fechadas. O prejuízo ao comércio foi calculado em R$ 14,7 milhões.

*Com informações da Agência Estado

Leia mais sobre: greve

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.