Justiça ouve mais três testemunhas do caso Isabella

SÃO PAULO - O Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo ouve, desde às 13h45 desta quarta-feira, mais três testemunhas do processo sobre a morte da menina Isabella Nardoni, que morreu no dia 29 de março, após ser jogada do 6º andar do edifício London, onde morava com o pai, Alexandre Nardoni, e a madrasta, Anna Carolina Jatobá. Alexandre e Anna são os acusados no caso.

Luciana Fracchetta, do Último Segundo |

O juiz Maurício Fossen, do 2º Tribunal do Júri do Fórum de Santana, na zona norte de São Paulo, ouvirá os depoimentos de duas testemunhas de defesa e uma do juízo (arrolada pelo juiz).

A testemunha de juízo é Jéferson Friche, morador do Edifício London. Friche teria conversado com Pietro, um dos irmãos de Isabella, no dia da morte da menina.

As testemunhas de defesa são: Gabriel Santos Neto e Cristiane de Brito. Neto é o pedreiro que teria dado declarações a um jornalista da Folha e Cristiane é uma enfermeira que mora na região onde o crime aconteceu.

Alexandre e Anna Carolina foram dispensados de acompanhar os depoimentos. A defesa do casal afirmou estar esperançosa em relação aos depoimentos desta quarta. Os advogados informaram, ainda, que requisitaram as gravações feitas pelo jornalista da Folha com o pedreiro Neto.

Habeas-corpus

O casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá ainda não teve o pedido de habeas-corpus julgado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, devido o atraso na entrega das correspondências provocado pela greve dos Correios. No último dia 17, Mendes solicitou a 2ª Vara do Tribunal do Júri da capital de São Paulo mais informações sobre o caso. Porém, até esta terça-feira a Justiça de São Paulo não havia recebido o pedido do ministro.

Leia mais sobre: Caso Isabella

    Leia tudo sobre: caso isabella nardoni

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG