Justiça ordena retirada de ocupantes da Câmara do DF

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) determinou hoje a desocupação da nova sede da Câmara Legislativa, que ainda não está sendo usada pelos deputados e foi tomada ontem à noite por um grupo de estudantes que exige a renúncia do governador Rogério Rosso (PMDB). O peemedebista foi escolhido para o cargo no sábado, em eleição indireta, e recebeu os votos de oito deputados envolvidos no chamado mensalão do DEM, esquema de corrupção que o ex-governador José Roberto Arruda é acusado de chefiar.

Agência Estado |

Rosso foi eleito por 13 votos, de um total de 24 deputados distritais. Na avaliação dos estudantes, que fazem parte do movimento "Fora Arruda e Toda a Máfia", os votos dos deputados envolvidos no esquema tornam ilegítima a eleição do governador.

Os estudantes permanecem no prédio e esperam a chegada de um comunicado oficial. Até o final da tarde, eles jogavam futebol com uma bola improvisada, feita de meias, no segundo andar do prédio. A ocupação está sendo pacífica, não há policiais no prédio, e apenas poucos seguranças da construtora responsável pela obra vigiam o local. Eles têm agendada uma assembleia para hoje.

O juiz da 3ª Vara de Fazenda Pública, Marco Antônio Lemos, determinou, em medida liminar, que dois oficiais de Justiça se dirijam ao prédio, com reforço policial, para cumprir a ordem de reintegração de posse do local. O juiz ordenou também que a Polícia Militar (PM) faça a segurança da nova sede da Câmara até sua inauguração - ainda sem data marcada.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG