Justiça Militar tem dificuldade para controlar grampo

A Justiça Militar padece de um problema já identificado em outros setores do Judiciário: o descontrole no número de autorizações de grampos telefônicos. Dados encaminhados pelo Ministério da Defesa, pelas 20 Auditorias da Justiça Militar e pelo Ministério Público Militar mostram ser uma incógnita a quantidade de processos com interceptações telefônicas.

Agência Estado |

O Ministério Público enviou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Grampos documento em que informa 19 processos com autorização para grampos em curso desde 2007 até março. As autarquias disseram haver 234. E a Defesa identificou só 7.

"Nós recebemos os dados e encontramos divergências. Cada auditoria informou quantas interceptações estavam sendo feitas em todo o País. Mas não há um número global de todas as escutas que estão sendo feitas na área militar", afirmou o presidente da CPI, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ). O Ministério Público diz que a Justiça Militar pode ter confundido grampos telefônicos, em que conversas são ouvidas, com quebra de sigilo, quando só números dos telefones são investigados. A Defesa alegou que divergências podem ter sido causadas por "diferença de metodologia".

De qualquer forma, o Ministério Público e a Defesa encomendaram novo levantamento para saber qual é o dado correto. E integrantes da CPI já adiantaram que devem perguntar isso diretamente ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, amanhã. Itagiba lembrou que os dados imprecisos não são exclusivos da Justiça Militar. "Esse não é um problema deles. É um problema geral", afirmou. "Quando a CPI começou ninguém tinha controle de informações de quantas interceptações estavam sendo feitas com a autorização da Justiça. Só conseguimos obter essa informação depois de acionarmos as operadoras de telefonia." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG