Justiça libera Nenê Constantino para voltar para casa

Fundador da Gol havia sido preso na quarta acusado de mandar matar o genro. TJ-DF concedeu habeas corpus sábado

iG Brasília |

Acusado de mandar matar o genro em 2008, o fundador da companhia aérea Gol, Nenê Constantino, ganhou liberdade por volta das 23h30 deste sábado. O habeas corpus foi concedido horas antes pelo desembargador Dácio Vieira, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, em Brasília.

“A decisão foi dada por volta das 18h30 do sábado, mas só foi cumprida às 23h30. Ele (Constantino) ainda dormiu no hospital. Só veio para casa na manhã de domingo”, disse Marcelo Bessa, advogado do empresário e autor do habeas corpus.

Constantino foi preso no dia 16 quando participava de uma audiência no Tribunal do Júri em Taguatinga, Distrito Federal. Aos 79 anos, ele é o principal acusado de ser o mandante de um atentado contra Eduardo Queiroz Alvez, ex-marido de uma das filhas de Constantino. Ele era, na época, diretor a Viação Planeta, que pertence à família de Constantino.

Horas depois ser preso na quarta-feira, o empresário alegou um mal estar e pediu para ser transferido para um hospital. Com problemas no coração, Constantino foi internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital do Coração do Brasil.

Segundo o último boletim médico divulgado no sábado, Constantino foi submetido a um cateterismo. “O procedimento evidenciou obstrução discreta em artérias coronárias e o tratamento adequado será administração de medicamentos”, relatou o documento.

Responsável pela decisão que liberou Constantino, o desembargador Dácio Vieira é o mesmo que, em 2009, tomou a decisão que proibiu o jornal “O Estado de S.Paulo” de divulgar grampos telefônicos da investigação envolvendo o empresário Fernando Sarney, filho do senador José Sarney (PMDB-AP)

    Leia tudo sobre: nene constantinocrimebrasília

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG