SÃO PAULO - A Justiça Federal em São Paulo vai ouvir três testemunhas de acusação no processo que ficou conhecido como Operação Satiagraha e que investiga a participação do banqueiro Daniel Dantas, de seu ex-assessor Humberto Braz e do professor universitário Hugo Chicaroni em uma tentativa de suborno a um delegado da Polícia Federal. Os depoimentos estão marcados para quinta-feira próxima (14) e serão tomados pelo juiz Fausto De Sanctis, na sede da 6ª Vara Federal Criminal, na capital paulista.

O suborno, de acordo com a Polícia Federal, teria o objetivo de retirar Dantas das investigações policiais na operação. Os nomes das testemunhas, que foram escolhidas pelo procurador da República Rodrigo De Grandis, não foram divulgados.

Na quinta-feira foram ouvidos os investigados Daniel Dantas e Hugo Chicaroni. O banqueiro se manteve em silêncio, enquanto Chicaroni confirmou que o dinheiro encontrado pela Polícia Federal em sua casa, durante as diligências da Operação Satiagraha, era mesmo do Opportunity e seria usado para o pagamento da propina ao delegado. Na última quarta, Braz foi ouvido por De Sanctis e também se manteve calado.

Dantas permanece calado

Durante seu depoimento, que durou cerca de uma hora, Dantas permaneceu em silêncio e, em sua saída, somente seu advogado, Nélio Machado, se dirigiu à imprensa. Machado fez uma avaliação positiva do depoimento e disse que "a verdade está aparecendo e vai ser revelada". Ao ser questionado sobre a relação de Dantas com o dinheiro usado por Chicaroni, respondeu que "Daniel Dantas não tem nada a ver com a tentativa de suborno".

O promotor De Grandis lamentou o silêncio de Dantas e disse que ele perdeu a quarta oportunidade de se defender. O banqueiro presta novo depoimento à PF no dia 14.

Dantas é investigado na Operação Satiagraha, da Polícia Federal, por corrupção, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, evasão de divisas e sonegação fiscal.

Leia também:

Leia mais sobre: Operação Satiagraha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.