Justiça determina bloqueio de R$ 545,7 milhões do Banco Opportunity

SÃO PAULO - Por determinação da 6ª Vara Federal Especializada em Crimes contra o Sistema Financeiro e Lavagem de Dinheiro, que aceitou pedido do Ministério Público Federal (MPF), foram bloqueados R$ 545,7 milhões do Banco Opportunity, do empresário Daniel Dantas. A 6ª Vara Federal é a responsável pelo inquérito que apura os crimes de gestão fraudulenta, evasão de divisas, concessão irregular de empréstimos e lavagem de dinheiro investigados na Operação Satiagraha.

Agência Brasil |

Acordo Ortográfico

O pedido de bloqueio foi feito no dia 4 de setembro pelo procurador da República Rodrigo de Grandis, após ter recebido um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), órgão responsável por disciplinar, aplicar penas administrativas, receber, examinar e identificar ocorrências suspeitas de atividades ilícitas relacionadas à lavagem de dinheiro.

Segundo nota do MPF, R$ 535,7 milhões do total bloqueado estavam em poder da financeira BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM e os demais R$ 10 milhões haviam sido transferidos do Banco Opportunity para uma conta corrente de Beassy Schachnik, irmã do presidente desse banco, Dorio Ferman, um dos investigados na operação.

De acordo com o MPF, foram realizadas duas grandes movimentações financeiras suspeitas de lavagem de dinheiro, que envolveriam Daniel Dantas, Dorio Ferman, Maria Alice Carvalho Dantas (esposa de Dantas), Verônica Dantas (irmã do banqueiro) e Norberto Aguiar Tomaz. A mais vultosa movimentação, considerada atípica, aconteceu este mês e envolve mais de meio bilhão de reais, afirma a nota. O MPF acredita que Dantas e os demais transferiram a administração de cinco fundos para a administração da BNY Mellon.

Uma outra movimentação atípica, segundo o MPF, ocorreu em julho deste ano, quando Beassy Schachnik recebeu em sua conta corrente uma transferência eletrônica disponível (TED) no valor de R$ 10 milhões. Mas, de acordo com o Ministério Público, a conta de Schachnik jamais recebeu tal movimentação.

Existem movimentações atípicas que podem indicar lavagem de dinheiro e o congelamento desses ativos foi pedido justamente para que o Ministério Público Federal possa, efetivamente, saber se esses recursos são provenientes de crime. O ônus de demonstrar a origem lícita desses valores é das pessoas que tiveram seus bens bloqueados, disse o procurador, por meio de nota.

Segunda-feira última (8), segundo o MPF, o Banco Opportunity havia divulgado nota informando que transferiu a administração dos fundos de investimento ao BNY Mellon.

Leia mais sobre: Banco Opportunity

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG