Justiça concede pedido de habeas-corpus a pai e madrasta de Isabella

SÃO PAULO - O desembargador Caio Canguçu de Almeida, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ), concedeu nesta sexta-feira o habeas-corpus para o casal Alexandre Carlos Nardoni e Anna Carolina Jatobá, presos desde o dia 3 por suspeita de envolvimento na morte da menina Isabella.

Redação |

  • Veja a íntegra do habeas-corpus
  • A defesa: Em carta, casal diz que é inocente
  • "Acreditamos na inocência dos deles, afirma advogado do casal

    O casal deve ser libertado ainda nesta tarde, já que o ofício da Justiça chegou às delegacias que estão presos. Alexandre Nardoni está detido no 77º Distrito Policial (DP) e Anna Carolina está no 89º DP, na zona sul. 

    De acordo com informações do TJ, o desembargador alegou que a prisão temporária é uma medida excepcional, tolerada apenas nas hipóteses precisamente fixadas em lei. Canguçu de Almeida argumentou que o casal não deu prova alguma de comprometer, dificultar ou impedir a apuração dos fatos

  • "Foi uma decisão bastante justa para nossos clientes. Não havia provas e os elementos que justificam a prisão temporária não estavam presentes. Houve uma precipitação, sem dúvida nenhuma, principalmente por parte da polícia", afirmou Ricardo Martins, um dos advogados do casal. "Agora se começou a fazer justiça", completou.

    O promotor Francisco José Taddei Cembranelli, responsável no Ministério Público Estadual (MPE) pela investigação, se reúne com a delegada-auxiliar do 9º DP, Renata Pontes, nesta tarde, no Fórum de Santana, na zona norte da capital paulista. O motivo deve estar relacionado habeas-corpus do casal Alexandre e Anna Carolina.

    O casal está preso desde a última quinta-feira, dia 3, por suspeita de envolvimento na morte da menor Isabella Nardoni, de 5 anos. Com a decisão da Justiça, o casal deve ser solto ainda nesta sexta-feira. Após serem soltos devem ser encaminhados ao IML para exame de corpo de delito.

    O pedido feito pelos advogados do casal foi protocolado junto ao Tribunal de Justiça (TJ) na segunda-feira, dia 7, sob os argumentos de que ambos não ofereceriam risco às investigações. Esse argumento foi rebatido pelo promotor Francisco José Taddei Cembranelli, que acompanha o caso. Segundo ele, o contato direto do casal com testemunhas importantes do caso poderia interferir no inquérito. 

    99% concluído

    O resultado da quebra de sigilo telefônico do apartamento do casal revela que em nenhum momento o pai e a madrasta de Isabella chamaram o Corpo de Bombeiros para socorrer a menina, que caíra do 6º andar do Edifício Residencial London, na Vila Isolina Mazzei, zona norte de São Paulo. As informações são de um dos policiais que investigam o caso.

    Diante de novos indícios e do depoimento de duas testemunhas, a Polícia Civil acredita ter esclarecido 99% do caso, restando apenas a conclusão dos laudos do Instituto de Criminalística (IC) e do Instituto Médico-Legal (IML) e a coleta de mais provas materiais.

    Nesta quinta-feira, investigadores do 9º Distrito Policial (Carandiru) passaram o dia confrontando os registros das chamadas feitas a partir do telefone fixo da residência do casal com as ligações recebidas pelo Centro de Operações do Corpo de Bombeiros (Cobom), na noite do dia 29 de março. As gravações do Cobom também não registram ligações de celular de nenhum dos dois.

    Testemunhas teriam ouvido detalhes na noite do crime
    O primeiro pedido de socorro foi às 23h49m59. O professor Antonio Lúcio Teixeira, de 61 anos, morador do apartamento 12, dizia que uma criança havia caído do prédio. Cerca de 30 segundos depois, às 23h50m32, alguém de dentro do apartamento dos Nardonis telefonou para o celular de Alexandre José Peixoto Jatobá, pai de Anna Carolina. O diálogo durou 32 segundos.

    A ligação seguinte, feita às 23h51m09, foi para a casa do pai de Alexandre, o advogado Antônio Nardoni. A chamada levou 29 segundos. É no mínimo estranho que o casal tenha visto a criança caída lá embaixo e não tenha sequer tentado ligar para o serviço de resgate, disse o policial.

    No momento em que eles falavam com seus pais, o morador do apartamento 12 estava falando com os bombeiros, ou seja: o casal não tinha como saber que alguém já tinha feito o pedido de socorro e também não se preocupou em fazê-lo. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Quebra de sigilo da tia

    A polícia pediu a quebra do sigilo telefônico da irmã de Alexandre Nardoni, Cristiana Nardoni. Está sendo avaliado o depoimento de uma testemunha que teria procurado a delegacia da Moóca alegando ter ouvido a irmã de Alexandre dizendo que o irmão teria feito uma grande besteira. A testemunha alegou estar em uma festa de confraternização com a irmã de Alexandre, na noite de crime.

    AE
    Muro pichado em frente ao residencial London
    Em entrevista à TV Bandeirantes, a tia da menina negou ter mencionado a frase. "Essa testemunha é mentirosa porque em momento nenhum eu disse isso, até porque eu não sabia o que estava acontecendo. Em segundo ponto, eu não atendi meu celular na frente de ninguém", afirmou.

    Ela disse que na noite do dia 29, logo após Isabella ser encontrada no jardim do prédio onde o pai mora com a madrasta recebeu uma ligação do pai avisando sobre o que havia acontecido mas, com o barulho do bar, que tinha "música ao vivo", desligou o aparelho e decidiu ligar para o pai de um banheiro. "Por isso eu digo: ninguém me ouviu falar. E essa afirmação é mentirosa, porque em momento nenhum eu disse isso."

    O caso

    AE
    Isabella era filha do consultor jurídico Alexandre Alves Nardoni e da bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira. A cada 15 dias, ela visitava o pai e a madrasta Anna Carolina Trotta Peixoto, estudante.

    No sábado, dia 29 de março, a garota foi encontrada morta no jardim do prédio do pai. A polícia descartou, desde o princípio, a hipótese de acidente e acredita que a garota tenha sido assassinada. O delegado titular do 9º Distrito Policial Carandiru, Calixto Calil Filho, declarou que há fortes indícios de que ela tenha sido jogada da janela do apartamento por alguém.

    O delegado destacou o fato de a tela de proteção da janela do quarto ter sido cortada e de ninguém ter dado queixa de desaparecimento de pertences no local.

    Leia também:

  • Vídeo pode provar que Alexandre não trocou de roupa
  • Polícia pede quebra de sigilo telefônico de tia de Isabella
  • Vídeo pode provar que Alexandre não trocou de roupa
  • 'Provas são vulneráveis', diz advogado do pai de Isabella
  • Promotor agora adota cautela e critica imprensa
  • Não há dúvida de que houve um crime, diz promotor
  • Advogado diz que madrasta perdeu chaves do apartamento
  • Mãe da menina Isabella quer que justiça seja feita
  • Confiamos plenamente no trabalho da polícia, diz tio de Isabella
  • Mãe de Isabella faz declaração à filha no Orkut
  • Menina caiu do quarto dos irmãos, diz polícia
  • "Não foi fatalidade", diz avô de menina
  • Opinião

    (*Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: isabella

    Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG