Júri oficial de Cannes promete mesclar emoção e reflexão

O júri oficial do 62º Festival de Cannes, presidido pela atriz francesa Isabelle Huppert, cumpriu totalmente nesta quarta-feira o trâmite da entrevista coletiva à imprensa do primeiro dia, exercício paradoxal para este grupo de personalidades que deve manter uma discrição absoluta e, neste caso, sem ter visto filme algum.

AFP |

Quatro mulheres, as atrizes Robin Wright Penn, Shu Qi, Sharmila Tagore, Asia Argento, e quatro homens, o escritor Hanif Kureishi, os cineastas James Grey, Nuri Bilge Ceylan, Lee Chang-dong, estão ao lado de Huppert no júri internacional.

Em uma sala cheia de jornalistas, consideraram que não se tratará de "julgar", palavra de "conotação negativa", e sim de "apreciar" os filmes, de conjugar "emoção" e "reflexão".

O coreano Lee Chang-dong assegurou que em Cannes haverá uma única nacionalidade: o cinema. A indiana Sharmila Tagore nestes dias esquecerá que exerce em seu país o cargo de presidente da comissão de censura.

Com a coletiva de imprensa, oferecida durante a tarde, foram verdadeiramente iniciadas as atividades do primeiro dia do festival, algumas horas antes da abertura oficial.

No início da manhã, a imprensa se divertiu com a exibição de "Up - Altas Aventuras", longa-metragem de abertura, que foi bastante aplaudido.

O diretor do Festival, Thierry Fremaux, ainda deve ter na memória a abertura do ano passado, quando o universo de "Ensaio sobre a cegueira", do escritor português José Saramago, adaptado para a tela do cinema pelo brasileiro Fernando Meirelles caiu como uma pesada bomba de pessimismo. Além de tudo, chovia no momento da exibição.

A nova produção dos estúdios Disney e Pixar não é inovadora em seu conteúdo, mas a história fantástica protagonizada por um velho viúvo e um menino escoteiro apresenta uma receita bastante eficaz, de uma energia contagiante.

Com "Up"", os organizadores começaram com o pé direito, e com um sol radiante. O primeiro dia deve ser relativamente tranquilo porque as mostras começam a intensificar as programações a partir desta quinta-feira.

Os profissionais chegam a Cannes e a gripe A não parece preocupar muito neste oásis do cinema na Côte D'Azur francesa. No Palácio dos Festivais foi visto apenas um par de máscaras azuis, e os primeiros mexicanos não tiveram problemas no aeroporto ou nos hoteis.

Os hoteis pela primeira vez em muito tempo não estão lotados. "Restam quartos, principalmente nos últimos dias", comentava o dono de um modesto dois estrelas da rua de Antibes, no centro da cidade.

No Mercado dos Filmes, os organizadores confirmam que os participantes estão mais atentos aos gastos, as delegações são menores, as estadias mais concentradas. A crise afetou o festival, como era previsto. Mas o show tem que continuar.

jmr.mc/dm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG