Jungmann pede à PF que investigue ação de milícias e de traficantes no Rio

BRASÍLIA - O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) pediu nesta quinta-feira à Polícia Federal que investigue a ação das milícias e de traficantes de pressionar moradores de comunidades cariocas a votar, nas eleições municipais de outubro, em candidatos apoiados por eles.

Redação com Agência Brasil |

O deputado recebeu denúncias de que esses grupos estariam ameaçando de morte pessoas do Complexo do Alemão e do Morro da Rocinha, que se recusassem a votar nos candidatos determinados por eles. Segundo o deputado, isso é crime eleitoral e este tipo de matéria é de atribuição federal.

"Crime eleitoral é Justiça Federal e é também Polícia Federal. A Justiça Eleitoral tem poder para colocar a Polícia Federal e até o próprio Exército [no caso], pois onde tem votação tem a ocorrência da intervenção da Justiça Eleitoral, cuidando da lisura de todas as votações", afirmou.

Ele também sugeriu que a Polícia Federal e as polícias do Rio de Janeiro, que já investigam a atuação das milícias e do tráfico de drogas, trabalhem juntas.

"Cada um na sua esfera, na sua atribuição, deveriam atuar juntas", disse.

Voto secreto

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) informou, através de sua assessoria de imprensa, que já recebeu mais de 20 denúncias desse tipo, e encaminhou todas para a Polícia Federal.

Ainda segundo a assessoria, o TRE não pode intervir em assuntos policiais e esse é um assunto de segurança pública, porém, para tentar acabar com essa prática, está lançando uma campanha chamada "o voto é só seu",para conscientizar os eleitores de que o voto é pessoal e intransferível e não deve ser influenciado por ninguém.  

Candidata barrada

No dia seis de julho, a candidata a vereadora pelo PT, Ingrid Gerolimich, foi impedida de realizar campanha política na favela da Rocinha, na zona Sul do Rio. Segundo a candidata, ela foi barrada porque os traficantes do local já escolheram os candidatos que querem no poder.

"No dia 6 de julho iríamos lá, mas recebemos recado dos moradores de que não poderíamos entrar, pois o tráfico não queria", disse.

Ingrid relatou também que sua equipe foi informada de que eles não podem fazer campanha política na favela do Rio das Pedras, em Jacarepaguá. A candidata disse que protocolou um ofício na Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro e no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) denunciando o caso e solicitando escolta.

"Quero que o ofício se estenda também aos outros candidatos, pois isso fere nosso direito de ir e vir", afirma. "Se não formos do tráfico ou das mílicias não teremos chance?!", questiona.

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública enviou nota oficial em que diz que o procedimento correto de qualquer candidato que se sinta ameaçado é registrar queixa na delegacia.

"Posteriormente, ele deve recorrer ao TRE que garantirá, mediante necessidade de reforço policial ou não, o direito de fazer campanha em qualquer área pública. Até o momento, a Secretaria de Segurança sabe de declarações relativas a estes fatos, porém não foi informada de nenhum registro formal de fato semelhante em delegacia", diz a nota.

Veja também:

Leia mais sobre: milícias no Rio


    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG