Jungmann diz que terá íntegra da gravação da PF

O ministro da Justiça, Tarso Genro, deverá encaminhar à Câmara, após o recesso do Congresso, a íntegra da gravação da reunião de dirigentes da Polícia Federal (PF) que definiu a saída do delegado Protógenes Queiroz do comando da Operação Satiagraha. O envio da íntegra atenderá a um requerimento de informações do deputado Raul Jungmann (PPS-PE), presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara.

Agência Estado |

"Ouvi dos dois que não haveria problema em enviar a gravação", disse Jungmann, referindo-se a Genro e ao diretor-interino da PF, Romero Menezes.

Parte da gravação da reunião - que durou duas horas e meia e foi realizada segunda-feira, na Superintendência da PF em São Paulo -, foi divulgada ontem, com o consentimento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para tentar passar a idéia de que a saída do delegado não foi por pressões políticas. Os trechos divulgados somam menos de cinco minutos de conversa e não mostram pressão política sobre Protógenes para que ele deixe o comando da operação. A gravação revela que Queiroz se dispôs a continuar trabalhando nas investigações nos fins de semana, já que, nos dias úteis ele passará a freqüentar um curso superior. Porém, segundo a PF, a proposta não foi aceita.

"Considero imprescindível o conhecimento do inteiro teor da reunião para que essa guerra de versões termine", afirmou Jungmann. O deputado contou que, em conversa com o ministro Genro e com o diretor interino da PF, houve a concordância dos dois em lhe enviar cópia da íntegra da gravação. Será excluída da cópia apenas a parte da reunião que tratou de outras investigações. O pedido de informações formal ao Ministério da Justiça, ao qual a PF é subordinada, deverá ser encaminhado pela Comissão de Segurança Pública após o recesso.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG