Juíza permite que postos de saúde do Rio fechem à noite

Os postos municipais de saúde do Rio permanecerão fechados durante a noite e a madrugada. A juíza estadual Valéria Pacha Bichara, da 10.

Agência Estado |

ª Vara de Fazenda Pública da Justiça Estadual, aceitou o argumento da prefeitura da capital fluminense de que não há segurança para a abertura de todas as unidades. A liminar, concedida ontem, contraria uma decisão da Justiça Federal, que, na semana passada, ordenou a abertura 24 horas por dia de todos os 145 locais. O prazo para que a administração municipal, governo do Rio e Ministério da Saúde providenciassem o funcionamento dos estabelecimentos de saúde foi encerrado hoje.

"É fato notório que a questão da segurança pública é outro sério problema que nossa cidade vem enfrentando há algum tempo. O que se pretende com a propositura da presente ação é conferir à população melhores condições de atendimento médico, ante o estado de calamidade pública pelo qual passa nosso município, sem, contudo, expô-la a quaisquer perigos. (...) Não há como se garantir a integridade física das pessoas que permanecerem no período noturno nos postos de saúde que estejam localizados em áreas conhecidas como de risco", escreveu Valéria.

A Advocacia-Geral da União (AGU), que havia pedido a abertura dos postos à Justiça, ainda não informou se recorrerá da decisão ou solicitará o cumprimento da resolução à juíza da 18.ª Vara Federal, Regina Coeli Medeiros de Carvalho, que estabelece uma multa diária de R$ 10 mil, caso as unidades não funcionem durante a noite e madrugada.

Hoje, o secretário municipal de Saúde, Jacob Kligerman, disse que o movimento dos postos caiu durante a noite e que os pacientes de dengue podem esperar por atendimento. "Só sai de casa à noite quem tem problemas de acidente grave e não quem tem sintomas da dengue, que pode esperar até o dia seguinte", afirmou, em entrevista à Rádio CBN. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), somente sete postos permanecerão abertos 24 horas por dia. O número de notificações na capital subiu para 52.275, ante 50.386 na véspera. Até hoje, havia 51 mortes registradas na cidade.

A Secretaria de Estado de Segurança (Seseg) informou que, em nenhum momento, a administração municipal pediu reforço da policial nos estabelecimentos de saúde ou procurou a pasta para traçar um plano de ronda nos postos em áreas de risco. "Vou repetir o que tenho dito: os postos estão cobertos pelos batalhões das áreas", afirmou o secretário José Mariano Beltrame.

Modelo

A modelo britânica Naomi Campbell bem que tentou. Mas foi barrada na triagem do Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (Hemorio), quando se apresentou para doar sangue a fim de ajudar as vítimas da doença. Naomi foi impedida porque fez uma cirurgia cinco semanas atrás para a retirada de um cisto no ovário. Apesar de dizer que não daria palpite na "política brasileira", pediu mais postos de saúde abertos e reforço na segurança para que as unidades funcionem durante a madrugada.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG