Juiz decide que assassino de Glauco não será julgado

Determinação é do juiz federal Mateus de Freitas Cavalcanti Costa, que considerou Nunes inimputável

AE |

selo

A Justiça Federal acatou o pedido do Ministério Público do Paraná (MP-PR) e Carlos Eduardo Sundfeld Nunes , o Cadu, assassino do cartunista Glauco Villas Boas e do filho dele, Raoni, não será julgado. O crime aconteceu no dia 12 de março de 2010, em Osasco, na Grande São Paulo. 

AE
Carlos Eduardo está preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, na região Metropolitana de Curitiba
A determinação é do juiz federal Mateus de Freitas Cavalcanti Costa, que considerou Nunes inimputável. A decisão, proferida na última sexta-feira, ordena que o réu cumpra pena em hospital psiquiátrico por, no mínimo, três anos. 

O laudo apresentado à Justiça Federal do Paraná (JF-PR) mostrou que Cadu sofre de esquizofrenia paranoide, sendo incapaz de perceber a gravidade de seus atos. A doença teria sido agravada por causa do "consumo imoderado de substâncias alucinógenas, do fanatismo religioso e da crença no sobrenatural". No dia dos assassinatos, ele estava sob efeito de maconha e haxixe. 

Cadu deve continuar internado no Complexo Médico Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, onde está desde o fim do ano passado. Ele foi detido dois dias após de ter cometido o duplo homicídio, quando tentou fugir para o Paraguai com um carro roubado. Na fuga, ele atirou contra policiais federais, ferindo um deles. Cadu frequentava a Igreja Céu de Maria, fundada por Glauco, inspirada nos cultos do Santo Daime.

Carlos Eduardo atirou em Glauco e Raoni no dia 12 de março de 2010 , na residência do cartunista, em Osasco (SP). Os dois chegaram a ser levados para o hospital, mas não resistiram. Glauco realizava cultos da Igreja Céu de Maria em sua casa, que segue a filosofia do Santo Daime, na qual os seguidores tomam um chá conhecido pelo mesmo nome. Para os seguidores da filosofia, a bebida intensifica a capacidade perceptiva e sentimental.

    Leia tudo sobre: glaucocaduinimputável

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG