A Universidade Bandeirantes (Uniban) terá de abonar todas as faltas da estudante Geisy Arruda e remarcar as provas da aluna de turismo para janeiro. A determinação é do juiz da 9ª Vara Cível de São Bernardo do Campo, Rodrigo Borga Campos.

Geisy, de 20 anos, não frequenta as aulas desde que foi hostilizada no campus da universidade, em 22 de outubro, por usar um vestido curto.

Segundo o advogado de defesa, Nehemias Domingos de Melo, o juiz aceitou o pedido integral que vai possibilitar que a aluna complete o ano letivo.

"O juiz entendeu a urgência deste pedido e concedeu liminar garantindo que ela faça as provas em janeiro. A Uniban terá de informar o local e datas à Justiça com 20 dias de antecedência", explica o advogado.

Na última sexta-feira, Melo entrou com um processo judicial contra a universidade pedindo indenização de R$ 1 milhão por danos morais. Na mesma ação, o advogado solicitou que a Uniban desconsiderasse suas faltas nas aulas posteriores à confusão e permitisse que ela fizesse suas provas pendentes em diferentes datas e locais do que o resto de seus colegas por motivos de segurança.

Investigação

A delegada Ângela de Andrade Ferreira Ballarini, titular da Delegacia da Mulher, esperava ouvir dois seguranças da Uniban presentes no tumulto, mas eles não compareceram à delegacia, assim como o advogado da instituição.

* Com Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.