Jucá deve ficar com relatoria da CPI da Petrobras

BRASÍLIA (Reuters) - Os nomes dos integrantes da CPI que vai investigar a Petrobras devem ser confirmados ainda nesta quarta-feira. Os governistas, no entanto, adiantam que devem deixar para próxima semana a indicação do presidente e do relator da comissão. A CPI só vai ser instalada na semana que vem, então temos ainda algum tempo, disse a jornalistas o líder do PT, senador Aloizio Mercadante (SP).

Reuters |

A tendência é que a presidência da CPI fique com o senador João Pedro (PT-AM) e relatoria, com Romero Jucá (PMDB-RR). A instalação está prevista para terça-feira às 10h.

Mercadante reuniu-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta manhã, acompanhado da senadora Ideli Salvatti (PT-SC), nova líder do governo no Senado, do ministro José Múcio Monteiro (Relações Institucionais) e do senador Gim Argello (PTB-DF).

Ele confirmou que os principais cargos da CPI ficarão com senadores aliados, conforme desejo do presidente Lula. "Quem tem maioria define os nomes. O fato de ter a presidência e a relatoria na base do governo não significa que a oposição não vai atuar com eficiência", disse Mercadante.

Segundo a acusação que vem sendo divulgada pelos governistas, os partidos de oposição querem, com a CPI, enfraquecer a Petrobras para privatizá-la.

A questão dos principais cargos colocou em lados opostos Mercadante e líder do PMDB, Renan Calheiros (AL). Renan tentou costurar um acordo para dar ao DEM ficasse com a presidência da comissão.

"Não há nenhum problema, nenhum ressentimento. O presidente Lula não demonstrou preocupação em relação a isso", explicou Mercadante. Na segunda-feira, no entanto, a primeira reunião de Lula após viagem ao exterior foi com Renan, quando acertou as definições sobre o andamento da CPI.

Sem os postos-chave, a oposição passou a obstruir as votações em plenário de projetos de interesse do governo.

INDICADOS

Os 11 senadores (8 governistas e 3 oposicionistas) que farão parte da CPI devem ser confirmados ainda nesta tarde com a leitura das indicações pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Há ainda outros sete suplentes. O prazo, que terminaria na terça-feira, passou para esta quarta.

Pelo bloco de apoio ao governo, foram indicados como titulares, além de João Pedro e Ideli Salvatti, Inácio Arruda (PCdoB-CE). Como suplentes, Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Delcídio Amaral (PT-MS).

Do PMDB, fazem parte Paulo Duque (PMDB-RJ), Leomar Quintanilha (PMDB-TO), além de Romero Jucá. Para a suplência, Valdir Raupp (PMDB-RO) e Almeida Lima (PMDB-SE).

O senador Fernando Collor (PTB-AL) integrará a CPI como titular pelo PTB. Como suplente, o partido indicou Gim Argello (PTB-DF). O PDT indicou Jefferson Praia (PDT-AM).

O PSDB indicou os senadores Alvaro Dias (PSDB-PR) e Sérgio Guerra (PSDB-PE), presidente da legenda, como membros efetivos. Como suplente, Tasso Jereissati (PSDB-CE). O DEM ficará com Antonio Carlos Júnior (DEM-BA) e Heráclito Fortes (DEM-PI) na suplência.

A comissão vai investigar uma série de supostas irregularidades na Petrobras, entre elas as licitações da estatal e uma manobra fiscal que permitiu à empresa reduzir o pagamento de impostos.

(Por Natuza Nery e Carmen Munari)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG