Jovens sofrem queimaduras durante trote no interior de SP

Duas universitárias afirmam que foram queimadas por produtos químicos despejados em seus corpos durante o trote de recepção aos calouros, na noite de segunda-feira, na Fundação Educacional de Santa Fé do Sul, a 623 km de São Paulo. As jovens foram internadas e medicadas com injeções e soro para amenizar dores e sintomas de intoxicação.

Redação com Agência Estado |

Nesta quarta-feira, elas passaram por exames de corpo delito e prestaram depoimento na Delegacia da Mulher, onde foi aberto um inquérito de lesões corporais.

Priscila Vieira Muniz, 18 anos, grávida de três meses, aluna do curso de análise de sistemas, deixou o hospital somente às 18h30 desta terça-feira. Ela teve queimaduras de primeiro grau nas duas coxas, nádegas, costas e cotovelo. "Amanhã vou fazer uma ressonância para saber se meu bebê não foi afetado", disse Priscila.

Ela contou que foi atacada do lado de fora, quando deixava a faculdade. "Uma moça já tinha me dito que se não me pegasse lá dentro, ia me pegar do lado de fora. E foi o que aconteceu", afirmou.

Futura Press

Jovem sofreu queimaduras em trote
Por conta da gravidez, Priscila tinha pedido aos alunos do curso para que a deixassem de fora do trote. "Isso aconteceu, mas havia uma menina de outro curso que acabou atacando minha amiga", contou Bruna da Silva Prado, que socorreu Priscila ao hospital. "Fiquei tonta e passei a sentir enjoos e queimaduras nas costas", lembrou Priscila.

Outra estudante, J.S.R, 17 anos, aluna do curso de letras, foi atacada ainda dentro da faculdade. Segundo ela, depois de ter o corpo banhado de tinta, foi obrigada a participar de uma brincadeira, chamada de fila do elefantinho. "Foi neste momento que alguém jogou o líquido nas minhas costas", contou ela. A jovem foi levada ao hospital e também medicada.

A assessoria de comunicação da Fundação distribuiu nota lamentando o incidente. Segundo a nota, a escola proibiu os trotes tradicionais nos dois campi e realizou trote cultural dentro de seu espaço, mas que mesmo assim, alunos veteranos continuaram com o trote violento do lado de fora da faculdade. Segundo a nota, a Fundação acompanhará o inquérito policial para adotar as medidas cabíveis, que poderão culminar com a expulsão dos responsáveis pelas agressões às duas alunas.

Um calouro do curso de Medicina Veterinária foi agredido durante o trote universitário aplicado na Universidade Anhanguera, no interior de São Paulo. Assista ao vídeo:

Leia mais sobre: trotes

    Leia tudo sobre: aeroportotrotes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG