Jovem morre após passar por lipoaspiração no Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO - A comerciante Nathália Anne de Souza Nogueira, de 22 anos, morreu nesta quarta-feira depois de passar por uma lipoaspiração na Clínica Korpus Estética, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O estabelecimento, que não tinha licença sanitária nem alvará de funcionamento, foi interditado pela Vigilância Sanitária municipal, que encontrou uma série de irregularidades.

Agência Estado |

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense abriu inquérito para apurar homicídio culposo, aquele em que não há intenção de matar, e está tentando localizar o médico Raphael Nogueira Simão, que até ontem não havia se apresentado para depor. O Conselho Regional de Medicina (Cremerj) também abrirá sindicância para apurar o caso.

O marido da comerciante, o contador Alex Serva, de 35 anos, contou que a lipoaspiração era um sonho de Nathália, que pesava 53 quilos. Ela pagou a cirurgia de R$ 3 mil em três prestações. "Eu era contra, mas ela queria se livrar de uma barriguinha", contou. Na quarta-feira, Alex esperava o fim da lipoaspiração, quando foi avisado por funcionários da Korpus de que deveria sair para comprar uma cinta de boa qualidade. Ele disse que preferia esperar por Nathália.

"Acho que queriam que eu saísse dali. Logo depois, o médico apareceu desesperado, dizendo que ela teve uma parada respiratória. Veio a maca e ela foi transferida", contou o contador. Nathália morreu a caminho do pronto-socorro. Casados havia três anos, eles não tinham filhos e haviam acabado de comprar uma casa. "A nossa vida estava só começando".

Ontem a Vigilância Sanitária fez vistoria na Korpus e encontrou medicamentos vencidos, equipamento para ressuscitação incompleto, falta de responsável técnico e a esterilização de instrumentos cirúrgicos era feita dentro da cozinha. "Havia cânulas grossas e aspirador, o que é indício que sempre faziam lipoaspiração ali", afirmou a coordenadora da Vigilância Sanitária, Érika Régis.

De acordo com o presidente do Cremerj, Luís Fernando Moraes, a realização de cirurgias de lipoaspiração em consultórios é prática proibida por resolução do Conselho Federal de Medicina desde 2003. O delegado Ricardo Barboza, da DHBF, disse que ainda não conseguiu intimar o médico Raphael Nogueira Simão. "A princípio estamos investigando homicídio culposo, mas isso pode ser modificado para homicídio doloso, dependendo do que for apurado na investigação e do laudo do IML", disse.

O Estado procurou o advogado Victor Hugo Bibiano, que representou o proprietário da clínica durante a vistoria da Vigilância Sanitária. Ele negou ser o advogado da causa. No dia da morte de Nathalia, o site da Korpus foi desativado e ninguém atende o telefone da clínica.

Leia mais sobre: lipoaspiração 

    Leia tudo sobre: lipoaspiração

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG