Jornalista Artur da Távola morre no Rio aos 72 anos

RIO DE JANEIRO - O ex-senador, escritor e jornalista Paulo Alberto Moretzsohn Monteiro de Barros, conhecido como Artur da Távola, de 72 anos, morreu, nesta sexta-feira, vítima de problemas cardíacos, em sua casa, no bairro do Leblon, zona Sul do Rio.

Redação com Agência Estado |

A informação foi confirmada pelo coordenador de jornalismo da rádio Roquette Pinto, Miro Ribeiro. Artur da Távola era presidente da rádio, conhecida como 94 FM, que pertence ao governo do Estado do Rio.

Ele sofria de insuficiência cardíaca e, no ano passado, foi submetido a uma cirurgia para a colocação de um desfibrilador - aparelho que reanima o coração quando os batimentos baixam. Artur da Távola será velado na noite desta sexta-feira, na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Legado

O jornalista nasceu em 3 de janeiro de 1936 no Rio de Janeiro e completou graduação em Direito. Filiado ao PTN, iniciou sua vida política como deputado federal do Estado da Guanabara, em 1960. Depois foi eleito deputado constituinte pelo PTB.

Quatro anos depois, no início do regime militar, seu mandato foi cassado e ele foi ao exílio na Bolívia e no Chile. Ao voltar para o Brasil, em 1968, passou a adotar o pseudônimo de Artur da Távola.

Um dos fundadores do PSDB, ele foi presidente do partido entre 95 e 97, líder da bancada tucana na Assembléia Constituinte, em 88, e candidato a prefeito do Rio de Janeiro, no mesmo ano. Artur da Távola também ocupou o cargo de secretário de Cultura no Rio e foi líder do governo do ex-presidente Fernando Henrique no Senado.

O jornalista trabalhou como colunista no jornal O Globo, atuou na extinta Bloch Editores, que editava a revista Manchete e na Rádio MEC, onde manteve um programa sobre música. Em 2008, Artur da Távola exercia a função de reitor em uma universidade particular carioca e escrevia para o jornal O Dia.

Ele deixa três filhos: Leonardo, um dos donos da Conspiração Filmes, Eduardo e André.

Última mensagem na internet

Em 4 de janeiro deste ano, ele postou uma última mensagem no blog que mantinha: "Embora enfermo desde agosto de 2007, com risco de vida, nas breves oportunidades em que não esteve internado, o titular deste blog nele não mais pôde escrever. Ele ficou aberto sujeito à interferência de internautas que se comprazem em entrar em domicílios alheios. Embora não mais internado em hospital, prossigo em tratamento doméstico e assim será por algum tempo. Nessa circunstâncias, peço desculpas a quem o procure. Ele está momentaneamente congelado por seu titular. Espero voltar na olenitude de minhas possibilidade dentro de dois ou três meses. E conto com sua compreensão. Fraternalmente, Artur da Távola"

Leia mais sobre: jornalismo

    Leia tudo sobre: jornalismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG