BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta segunda-feira que não deverá depor na CPI dos Grampos, da Câmara dos Deputados. O depoimento estava marcado para a próxima quarta-feira. Segundo Jobim, ele terá de acompanhar o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na comitiva a Manaus e Coari, no próximo dia 10.

Acordo Ortográfico

Jobim ressaltou, porém, que pedirá ao presidente da comissão, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), para remarcar o seu depoimento para o próximo dia 17.


Ao iG, Itagiba disse que insiste na ida do ministro à CPI nesta quarta-feira para "esclarecer as denúncias que ele fez", e estende o apelo ao presidente Lula para que ele abra mão da presença de Jobim na comitiva que vai à Amazônia.

Na semana passada, Jobim declarou que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) adquiriu, por meio do sistema de compras do Comando do Exército, equipamentos que podem realizar interceptações telefônicas, além de varreduras.

Na ocasião, o ministro disse que reafirmaria na CPI o que falou ao presidente na reunião de Coordenação Política, culminando no afastamento da cúpula da Abin.

Leia mais sobre: CPI dos Grampos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.