Jobim pede estudo para proteção em pista de Congonhas

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, ao comentar o acidente da última quarta-feira com um táxi aéreo no aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, informou que pediu às autoridades aeronáuticas que sejam estudados quais tipos de proteção poderiam ser instalados na pista para evitar desastres com aviões que eventualmente ultrapassem a cabeceira. Jobim deu as informações ao ser abordado por jornalistas na saída do Ministério da Defesa.

Agência Estado |

Jobim afirmou que a proteção não pode ser um muro e sim algum outro tipo de mecanismo. O ministro citou a possibilidade de instalação de uma rede. Sobre a possibilidade de colocação de um concreto poroso no chão da pista para interromper o percurso do avião, o ministro disse que isso exigiria uma ampliação do comprimento da pista numa área de grande densidade de edificações.

Já o presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), Sérgio Gaudenzi, citou a possibilidade de colocação de concreto poroso e a de instalação de uma tela de aço. Após audiência com Jobim, Gaudenzi afirmou que o acidente com o táxi aéreo não teve relação com as características da pista. Ele disse que, embora a apuração das causas do acidente ainda não tenha sido concluída, o acidente está relacionado a problemas ocorridos com o avião.

Gaudenzi disse que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) já tem estudos destinados à melhoria da segurança no Aeroporto de Congonhas. No entanto, o presidente da Infraero fez a ressalva de que a implantação de medidas de segurança não é algo que possa ser feito rapidamente.

Leia mais sobre: aeroportos

    Leia tudo sobre: acidenteacidente da tamcongonhas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG