Jobim: definição sobre caças sairá depois do Natal

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse que a compra de caças pela Força Aérea Brasileira (FAB) dificilmente será definida antes do final deste ano. O governo brasileiro espera que as análises de capacidade operacional dos aviões oferecidos pela francesa Dassault, pela norte-americana Boeing e pelo sueca Saab, da capacidade industrial do País absorver cada uma das tecnologias e do preço fiquem prontas em dezembro.

Agência Estado |

Há ainda outras etapas, como a avaliação do Ministério da Defesa, da presidência da República e do Conselho de Defesa Nacional.

"Acho complicado que possamos ter uma decisão antes do Natal", admitiu o ministro, durante entrevista nesta terça-feira, em Porto Alegre, antes de viajar para Canoas e Rio Grande para acompanhar manobras da Operação Laçador, um treinamento que está mobilizando 10 mil homens nos três Estados do Sul do País.
Apesar de reconhecer que "há uma opção política pela França", já manifestada inclusive pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Jobim considerou que ainda faltam "elementos" para transformar essa preferência em negócio. "Temos que analisar outros aspectos, se é o tipo de tecnologia que precisamos, se o (avião) Rafale responde às condições necessárias de operacionalidade e também o custo", ressalvou o ministro.

A vantagem mais aparente do pacote francês é a "transferência irrestrita" de tecnologia, uma promessa superior à de "transferência necessária" feita pelos Estados Unidos, que, tradicionalmente, impõem embargos nesse quesito.

Operação

Ao falar sobre as críticas que a Operação Laçador recebeu no Paraguai, especialmente do jornal "ABC Color", que chegou a tratá-la como um "simulacro de guerra" dirigida ao país, Jobim reiterou que o Brasil resolveu todas as pendências fronteiriças que tinha ainda no início do século passado e não tem qualquer pretensão expansionista.

O ministro desqualificou a preocupação por entender que ela só foi manifestada por "uma imprensa tradicional no sentido de tentar ver a atividade brasileira como se fosse ofensiva ao Paraguai". Também lembrou que o Brasil já fez enormes concessões ao vizinho sul-americano, inclusive o financiamento de uma linha de transmissão entre Itaipu e Assunção.

Sobre os gastos de R$ 10 milhões na operação, Jobim observou que o País está adquirindo uma "posição internacional crescente e ativa" e precisa ter uma capacidade dissuasória para "dizer não quando precisar dizer não".

Carona

Questionado sobre a carona que um avião da FAB deu a Fábio Luís Lula da Silva, filho do presidente, e mais 15 amigos no dia 9 de outubro, Jobim disse desconhecer o assunto. Depois, informado pela assessoria de que o Boeing foi a São Paulo para buscar o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e não o filho do presidente, afirmou que, nessas circunstâncias, a carona não fere a lei.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG