CPI da Petrobras, senador João Pedro (AM), apresentou nesta quarta-feira um requerimento convidando o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, para prestar esclarecimentos sobre supostas irregularidades na estatal e também na Agência Nacional do Petróleo (ANP)." / CPI da Petrobras, senador João Pedro (AM), apresentou nesta quarta-feira um requerimento convidando o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, para prestar esclarecimentos sobre supostas irregularidades na estatal e também na Agência Nacional do Petróleo (ANP)." /

João Pedro apresenta convite para Sérgio Gabrielli depor à CPI da Petrobras

BRASÍLIA - O presidente da http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/07/15/cpi+da+petrobras+e+instalada+e+fica+sob+controle+do+governo+7305925.html target=_topCPI da Petrobras, senador João Pedro (AM), apresentou nesta quarta-feira um requerimento convidando o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, para prestar esclarecimentos sobre supostas irregularidades na estatal e também na Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Carol Pires, repórter em Brasília |


João Pedro apresentou ainda requerimentos de convite ao diretor-geral da ANP, Haroldo Lima, ao diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa e ao gerente executivo de Comunicação Institucional da estatal, Wilson Santarosa. 

Marcello Casal Jr/Agência Brasil
O presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli

Considero a presença dos diretores da Petrobras no início dos trabalhos da CPI ideal para avançarmos nos esclarecimentos e aprofundarmos o debate sobre a instituição, afirma o presidente da CPI.

Na condição de convidados, o presidente e os diretores da Petrobras e da ANP podem se negar a comparecer à comissão de inquérito, e, no caso de aceitarem a oferta, não serão obrigados a responder às perguntas feitas pelos senadores.

A próxima reunião da comissão está marcada para dia 6 de agosto, quando o senador Romero Jucá (PMDB-RR), relator das investigações, deverá apresentar o plano de trabalho da comissão. Neste dia também devem ser colocados todos os requerimentos em votação.

Até agora, 82 requerimentos foram apresentados à CPI da Petrobras.  Alguns, apresentados pela oposição, pedem acesso à documentação da estatal em posse do ministério Público e do Tribunal de Contas da União, além de quatro pedidos de convocação, e dois de convites de autoridades para prestarem esclarecimentos sobre denúncias feitas contra a Petrobras.

Os oposicionistas também tentarão investigar a denúncia de que a Fundação José Sarney desviou recursos de um patrocínio cultural da Petrobras. O requerimento que solicita informações sobre a prestação de contas da fundação que leva o nome do presidente do Senado foi protocolado pelo senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

Como o governo conta com oito dos 11 membros da CPI da Petrobras, o esperado é que a base aliada barre todos os requerimentos que possam causar constrangimento ao governo.

Entenda a CPI

A CPI criada para investigar irregularidades na Petrobras contou com o apoio de 30 senadores, três a mais que o número mínimo necessário para a criação de uma Comissão de Inquérito. O autor do pedido é o senador tucano Álvaro Dias (PSDB-PR).

Em seu requerimento, Álvaro destaca os seguintes pontos a serem investigados:

  • Indícios de fraudes nas licitações para reforma de plataformas de exploração de petróleo apontados pela operação Águas Profundas da Polícia Federal;
  • Graves irregularidades nos contratos de construção de plataformas, apontados pelo Tribunal de Contas da União;
  • Indícios de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, apontados por relatório do Tribunal de Contas da União;
  • Denúncias de desvios de dinheiro dos royalties do petróleo, apontados pela operação Royalties, da Polícia Federal;
  • Denúncias de fraudes do Ministério Público Federal envolvendo pagamentos, acordos e indenizações feitos pela ANP a usineiros;
  • Denúncias de uso de artifícios contábeis que resultaram em redução do recolhimento de impostos e contribuições no valor de R$ 4,3 bilhões;
  • Denúncias de irregularidades no uso de verbas de patrocínio da estatal.


A CPI vai ter 180 dias para realizar seus trabalhos, podendo ser prorrogada por igual período. 

Leia também:

  • Denúncia contra Sarney impõe instalação da CPI da Petrobras
  • Ministério Público decide investigar Fundação Sarney 

    Opinião

    Leia mais sobre: CPI da Petrobras

    • Leia tudo sobre: cpi da petrobrasempresainvestigação

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG