Kind of Blue no Brasil - Brasil - iG" /

Jimmy Cobb vai tocar álbum Kind of Blue no Brasil

SÃO PAULO ¿ Único sobrevivente da gravação do mitológico álbum de Miles Davis, Kind of Blue, o mais clássico dos discos de jazz já gravado, lançado em março de 1959, o baterista Jimmy Cobb, de 80 anos, traz dia 14 ao Brasil o mesmo show que, no sábado, apresentou no Festival de New Orleans. Dos seis homens no palco do festival, apenas um integrava de fato o sexteto de Miles e participou da gravação de Kind of Blue: Jimmy Cobb.

Agência Estado |

Os outros estão no lugar dos que morreram: Wallace Roney (no "papel" de Miles Davis), Javon Jackson (no de Cannonball Adderley), Vincent Herring (no de John Coltrane), Buster Williams (baixo, no lugar de Paul Chambers) e Larry Willis (no piano de Bill Evans).

Cobb e seu grupo vêm ao Brasil para o Bridgestone Music Festival, no Citibank Hall, para tocar inteiro o álbum mais conhecido do jazz em todo o mundo ¿ até hoje, vende em média 5 mil cópias toda semana, segundo estima o escritor Ashley Kahn, autor do livro "Kind of Blue: A História da Obra-Prima de Miles Davis" (Editora Barracuda), que estava na plateia. O cineasta Francis Ford Coppola veio da Califórnia para o festival.

Na privilegiada tarde de sábado, quando o trompete de Wallace Roney disparou o primeiro acorde de "So What", a canção que abre o mitológico disco, a plateia parecia entrar em órbita. Wallace Roney, discípulo incensado pelo próprio Miles Davis, usava um paletó excêntrico, dourado. Baixou o santo: estava tão marrento e invocado quanto Miles. Para emular de vez o ídolo, só faltava querer tocar de costas para o público. Vincent Herring parecia que recebia o espírito de Coltrane. Javon Jackson vestia a pele de Cannonball Adderley. Ao piano, Larry Willis, gentleman do Harlem, tinha dupla missão: além de ressuscitar a elegância estilística de Bill Evans, cumpriria também o próprio papel (ele tocou na banda de Miles Davis).

Jimmy Cobb, testemunha viva de todo o processo de composição, gravação e depuração de "Kind of Blue", é um sujeito de humor afiado. No auditório do hipódromo de New Orleans, sede do festival, quando indagado sobre se sabia que estava participando de um clássico que mudaria a história da música, ele disse: "Para Miles e para mim, eram apenas grandes caras tocando alguma música nova. Não era nada de extraordinário. O conceito de gravar um disco era diferente do que é hoje", contou Cobb.

    Leia tudo sobre: jazzmúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG