Jim Carrey ressuscita em 3D clássico de Dickens 166 anos depois

LOS ANGELES ¿ Um dos contos de Natal mais clássicos de Charles Dickens, Um Conto de Natal (A Christmas Carol), várias vezes adaptado para o cinema e o teatro, chegará novamente às salas de cinema ¿ com o título de Os Fantasmas de Scrooge no Brasil ¿ 166 anos depois de sua publicação, em uma produção 3D dos estúdios Disney e dirigido por Robert Zemeckis, a mente por trás da trilogia De Volta para o Futuro.

AFP |

"Apaixonei-me pelo cinema digital", confessou Zemeckis em uma entrevista coletiva em Beverly Hills para apresentar um dos principais investimentos dos últimos anos do estúdio de Mickey Mouse.

"Depois de dirigir 'O Expresso Polar' (2004), passei a buscar ideias de filmes que poderiam ser apresentados neste formato artístico", declarou o cineasta, também director de "Forrest Gump" (1994), pelo qual ganhou o Oscar, e "A Lenda de Beowulf" (2007).

"E um dia me trouxeram a ideia de que poderia ser com este conto de Natal", acrescentou. "De imediato voltei a ler o livro para refrescar minha memória e percebi que realmente não havia sido feito da maneira como ele (Dickens) havia imaginado quando escreveu".

"Esta foi a maneira perfeita de aproximar um clássico que é familiar a todos, com uma nova concepção", completou o diretor, um apaixonado pelo uso de tecnologias no cinema, que já anunciou sua versão de "Yellow Submarine" para 2012.

Ao lado de Zemeckis, os atores e produtores do filme contaram os detalhes da produção deste conto ambientado em tempos vitorianos, mas adaptado com a técnica de 'Performance Capture', que usa uma câmera concebida originalmente para pesquisas médicas - de emoções -, para gravar os movimentos do ator e depois digitalizar os mesmos.

Na história, um idoso tacanho e egoísta de nome Ebenezer Scrooge, na pele de de Jim Carrey, recebe o espírito de Natal ao lado do elenco que inclui Robin Wrigth Penn, Gary Oldman e Colin Firth, entre outros, e que estreará na América do Norte no dia 6 de novembro e em dezembro no Brasil.

"É um momento difícil do ano para algumas pessoas. É um momento para enfrentá-lo", comentou o protatonista Jim Carrey, depois de fazer piadas sobre o quanto odeia o Natal.

"Sou o único em Hollywood (que odeia o Natal), por isso me contratam para estas coisas, o Natal é um desafio", completou o ator de "O Grinch" (2000), vários quilos acima do peso e com barba, ao que parece para construir seu papel no filme sobre "Os Três Patetas".

O filme usa magistralmente os avanços do 3D, mas o desempenho dos atores se perde em uma trama repleta de efeitos especiais, com um Carrey caricatural, um Gary Oldman particularmente abaixo do tom e uma Robin Whright luminosa como Cinderela.

Mas todos consideraram a experiência fascinante e um desafio. "Estas tecnologias representam um desempenho completo para os actores. Existem certos aspectos da tecnologia que são muito excitantes e divertidos do ponto de vista criativo", explica Carrey, antes de afirmar com convicção que tudo isto é o futuro do cinema.

A respeito da trama, Zemeckis - famoso por dirigir roteiros que brincam com o relógio - opina que o clássico publicado pela primeira vez em 1843, "pode ser a mais grandiosa história de viagem no tempo escrita em inglês. É fabulosa".

"Definitivamente esta história influenciou minhas próprias histórias de viagens no tempo", afirmou a respeito do conto, que originalmente foi um romance curto realista-gótica.

"Este sempre foi o tipo de filme que nos permite voltar a focar nas coisas importantes, onde está a felicidade", disse Carrey, que descartou que o longa tenha uma mensagem especial para o período de crise econômica.

"Todos gostam de olhar para Scrooge porque, em um grau ou outro, todos temos algo dele, em diferentes níveis. Por isso é um personagem divertido que durou tanto tempo", conclui Zemeckis.

    Leia tudo sobre: cinemajim carrey

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG