Motivado pelos apelos da militância tucana, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) colocou-se à disposição do partido para disputar pela quarta vez o governo cearense em vez de tentar a reeleição para o Senado. A ideia é fortalecer o palanque, no Ceará, do candidato à Presidência da República pelo PSDB.

"Estou disposto a fazer aquilo que for necessário", disse Tasso, hoje, na Assembleia Legislativa do Ceará, durante convenção estadual que ungiu o médico Marco Penaforte como presidente regional da sigla. O encontro teve a participação do presidente nacional do PPS, Roberto Freire. Tanto Tasso como Freire disseram que independente do escolhido, se Aécio Neves ou José Serra, o candidato tucano à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá o total apoio da militância cearense.

Aos jornalistas e em seu discurso, Tasso fez duras críticas às declarações dadas semana passada por Lula, quando este afirmou que no Brasil Jesus teria que se aliar a Judas. "E não é o Judas dele, são os Judas do povo brasileiro", afirmou Tasso.

De acordo com ele, no atual governo "a mentira deixou de ser um pecado e passou a ser uma virtude". E atacou a política de alianças feitas por Lula. "(Ele) se alia aos traidores do País para manter e segurar o pode. Vale tudo. Cada um que salve-se como puder", emendou Roberto Freire, que também foi duro nas críticas. E disse que Lula ao invés de se preocupar em tornar as eleições plebiscitárias deveria "preocupar-se com a candidata dele que não consegue decolar".

Tasso rechaçou a pecha de "coronel do asfalto" e afirmou que nunca foi nem quis ser coronel. Em seguida, diante de um plenário lotado, afirmou: "Estamos dispostos a construir esse desafio. Um novo projeto sem cooptação, com idealismo. Estou aí para segui-lo", disse referindo-se a Penaforte.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.