A avó materna de Isabella de Oliveira Nardoni, Rosa Maria Cunha de Oliveira, afirmou hoje em depoimento à Justiça que a madrasta da menina, Anna Carolina Jatobá, detestava sua filha, Ana Carolina de Oliveira. Ela contou ao juiz do 2º Tribunal do Júri, Maurício Fossem, que as duas se falavam ao telefone apenas sobre Isabella.

"Nunca houve amizade. Até porque a Jatobá detestava a minha filha", afirmou. Segundo Rosa, a avó paterna de Isabella, Aparecida Nardoni, lhe contou que o ciúme de Anna Jatobá era "doentio".

A avó materna de Isabella contou que sempre houve preocupação tanto da família Oliveira, quanto dos Nardoni, com o fato de a menina dormir na casa do pai. O temor aumentou quando Aparecida relatou à Rosa que Alexandre jogou o filho Pietro, de 3 anos, no chão como um castigo por ele ter mordido Isabella. "Fiquei horrorizada", afirmou.

Segundo Rosa, Alexandre tem uma personalidade forte, mas nunca foi agressivo com Ana de Oliveira. E o relacionamento dele com Isabella só ficou mais estreito depois que a menina completou os três anos. A avó materna afirmou que a família Oliveira nunca aprovou o namoro de Ana de Oliveira com Alexandre, pois ele "falava muitas gírias e não estudava". De acordo com ela, Ana de Oliveira resolveu terminar o relacionamento por desconfiar que estava sendo traída e, depois de descobrir que Alexandre tinha 75 cheques devolvidos, ela disse à mãe: "Não quero isso para minha vida".

Contradição

No depoimento, Rosa corrigiu ao juiz uma informação que havia dado à polícia. Durante inquérito, ela tinha afirmado que Ana de Oliveira havia ficado doente por causa do rompimento com Alexandre. Hoje, ela disse à Justiça ter se expressado mal naquela ocasião e afirmou apenas que a filha teve uma gastrite após o fim do relacionamento dos dois.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.