Itapeva agora é a cidade da fartura Por José Maria Tomazela Itapeva, SP, 06 (AE) - A cidade de Itapeva, a 285 quilômetros de São Paulo, já não é a mesma. Antes conhecida como ramal da fome, hoje é a maior produtora de grãos do Estado.

As últimas safras de milho, soja, trigo e feijão produziram 7,1 milhões de sacas e renderam R$ 246,7 milhões. Essa montanha de dinheiro está transformando a vida dos seus 87.639 habitantes.

Com os altos preços dos grãos, até os 2,5 mil pequenos agricultores conseguiram pagar as contas e ainda sobrou dinheiro. O ex-bóia-fria Odair Lopes de Oliveira é um deles. Vendeu a saca de milho por R$ 25 e foi fazer compras na cidade. Ele caminha pela rua carregando uma bicicleta na embalagem, seguido pelos dois filhos. "A bicicleta é minha, mas o som é para a casa."
Moradores da periferia também beneficiados pelo dinheiro da safra, como o funileiro Alberto Lisboa, entopem o Calçadão Dr. Pinheiro, onde as lojas são mais numerosas. "Tem dia que isso aqui parece a 25 de Março", exagera a vendedora Lisete de Almeida.

Inezeli Rodrigues Macedo, esposa de um trabalhador rural autônomo, realiza o sonho de ter uma máquina fotográfica digital. Numa loja das Casas Bahia, escolhe, com a filha Alessandra, um modelo de alta resolução. "Quero uma que precise só apertar o botão."
O gerente da loja, João Batista Navarrete, conta que, desde a abertura, em 2003, o movimento cresce em média 15% ao ano. Nos meses de colheita, quando a safra é boa, o movimento dobra. "A pessoa entra toda humilde, de chapéu e botina, e vai direto para a seção de computadores ou das TVs de tela plana."
O boom da agricultura já se reflete nas contas públicas. Segundo o prefeito Luiz Cavani (PSDB), a inadimplência de impostos, que há três anos chegava a 40%, caiu para menos de 15%. A prefeitura, antes atolada em dívidas, agora tem dinheiro e está investindo R$ 10 milhões em saneamento e pavimentação. "Quando a agricultura vai bem, tudo aqui anda", diz.

O cadastro municipal, que passava semanas sem inscrever novas empresas, agora chega a abrir dez em um único dia. "Estamos recebendo uma grande concessionária de caminhões e uma distribuidora de máquinas agrícolas", conta o prefeito. Uma grife e uma franquia americanas chegaram à cidade, além de dois novos hotéis.

O que mais se fala nas ruas é da mudança que a nova condição econômica provocou nessa cidade de 1,8 mil quilômetros quadrados. Para o presidente da Associação Paulista de Criadores de Pardo-Suiço, José Fernandez Lopez Neto, a região será como o sul do Texas.

"As terras que produzem alimentos terão o mesmo valor que as que produzem petróleo", diz. "Aqui se tem tecnologia para tirar quase três safras por ano. Os estrangeiros ficam admirados."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.