Itália planeja recorrer até obter extradição de Battisti

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, aprecia o interesse do governo italiano de recorrer a cada instrumento previsto pelo ordenamento jurídico do Brasil e pelo internacional para reforçar as razões colocadas na base do pedido de extradição de Cesare Battisti, informou hoje um comunicado do Quirinale, a presidência italiana, que confirma ter recebido a resposta do presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. Napolitano teve um encontro com o ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini.

Agência Estado |

As informações são da Agência Ansa .

"O presidente da República, Giorgio Napolitano, recebeu hoje do presidente da República Federativa do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, a resposta à carta enviada em 16 de janeiro", diz a nota do Quirinale. "O presidente Lula quis exprimir a plena consideração do Brasil 'pela magistratura italiana e pelo Estado de direito democrático vigente na Itália e fé no caráter democrático, humanitário e legítimo' do nosso ordenamento jurídico. Ao mesmo tempo, o presidente Lula se referiu às bases jurídicas internas e internacionais, da decisão tomadas pelas autoridades brasileiras em relação ao caso Battisti. A carta é concluída com a reafirmação dos laços históricos e culturais que unem o Brasil e a Itália e da vontade de reforçar as relações bilaterais entre os dois países".

Em um encontro mais cedo com Frattini, o presidente Napolitano tomou conhecimento da carta de Lula e decidiu que a Itália deverá usar os instrumentos do sistema jurídico brasileiro e do internacional para reforçar o pedido de extradição de Cesare Battisti, "condenado à prisão perpétua pelos homicídios cometidos nos anos de ataques terroristas contra a democracia italiana", disse o Quirinale.

Em 17 de janeiro, Napolitano escreveu a Lula e manifestou "profundo estupor" pela decisão do ministro da Justiça do Brasil, Tarso Genro, de conceder status de exilado político a Battisti, ex-terrorista do grupo Proletários Armados pelo Comunismo, condenado por quatro homicídios ocorridos entre 1977 e 1979. Segundo a Ansa , o governo brasileiro não divulgará os conteúdos das cartas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG