Isolado, Paulo Octávio fala em entregar governo no DF

Isolado no próprio partido, o governador em exercício do Distrito Federal, Paulo Octávio (DEM), pegou ontem a estrada e viajou 200 quilômetros até Goiânia para tentar conquistar o apoio de seu maior crítico na legenda, o senador Demóstenes Torres (GO). O parlamentar não arredou pé da decisão de pedir que Paulo Octávio deixe o DEM.

Agência Estado |

O governador em exercício, que no sábado admitira que pode renunciar ao cargo, acrescentou ontem, depois do encontro, que a solução para a crise política pode ser mesmo entregar o governo aos presidentes da Câmara Distrital ou do Tribunal de Justiça do DF (TJ-DF).

Com o argumento de que precisa de apoio em casa para conseguir aliança com outras legendas e obter "o mínimo de governabilidade", Paulo Octávio tentou, sem sucesso, convencer Demóstenes de que a hora é de união para conclusão do governo no DF. "Se o meu partido não me apoia, o que vou esperar dos outros?", lamentou ontem.

Demóstenes tem defendido a expulsão de Paulo Octávio do partido e, na conversa com ele, afirmou que não poderia mudar de opinião. "Minha convicção já está formada. E disse isso a ele", afirmou. Demóstenes sugeriu a Paulo Octávio que renunciasse à presidência do DEM no DF. Na sexta-feira, um dia depois de assumir o governo, com a prisão de José Roberto Arruda (sem partido), Paulo Octávio pediu afastamento do comando do partido no Distrito Federal. Porém, ele não tem sinalizado que vá sair definitivamente da sigla. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG