O Conselho Estadual de Defesa os Direitos da Pessoa Humana (Condepe) pediu ao secretário estadual de Segurança Pública de São Paulo, Ronaldo Marzagão, que apure supostas alterações na cena do crime do qual foi vítima a menina Isabella Nardoni, em 29 de março. O secretário-geral do Condepe, Ariel de Castro Alves, afirmou temer que a não-preservação do local, o apartamento 62 do Edifício London, na Vila Isolina Mazzei, zona norte da capital paulista, possa dificultar a solução do caso.

"O medo é que não se consiga uma conclusão real sobre a autoria do crime, pois os indícios podem ser contestados."

Entre possíveis dificuldade decorrentes de mudança de cena do crime, Alves apontou os obstáculos para se colher impressões digitais e amostras de sangue, que poderiam auxiliar na reconstrução do caso e facilitar a identificação dos criminosos. Além disso, para ele, toda a vez que há impunidade, os direitos humanos são diretamente feridos.

A Marzagão caberia encaminhar pedido de informações e providências às Corregedorias das Polícias Civil e Militar (PM). O Condepe enviou uma cópia do pedido ao ouvidor-geral da Polícia do Estado, Antônio Funari Filho. A Secretaria Estadual de Segurança Pública informou que o fato de haver algumas modificações no lugar não impediu a polícia de coletar dados suficientes para o laudo pericial. A primeira perícia aconteceu ainda na madrugada do crime e outras se sucederam "sempre que necessário".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.