Isabella: grupo que pede justiça tem sósia de terrorista

Em meio ao tumulto diante do 9º Distrito Policial, no Carandiru, zona norte de São Paulo, onde depõe desde o fim da manhã Alexandre Nardoni, no caso que chocou o País - a morte da filha dele, Isabella, de 5 anos -, duas das cerca de 70 pessoas que pediam justiça estavam fantasiadas: uma se vestia de Bin Laden, líder do grupo terrorista Al-Qaeda, e a outra como o cantor Roberto Carlos.

Agência Estado |

Flávio Leandro da Rocha, de 58 anos, que se intitula o "Bin Laden Brasileiro da Paz", foi ao local "pedir justiça", usando um turbante branco, roupa camuflada, camiseta do Corinthians, botas militares e cinto de munição repleto de pilhas. "Uma criança é a coisa mais inocente do mundo", disse Rocha. "Queremos a verdade".

José Wilson de Freitas, de 47 anos, cover de Roberto Carlos, conta que saiu direto de um show ontem à noite para a frente do 9º DP. Usando terno e sapatos brancos, Freitas espera ver hoje o desfecho do caso Isabella. "Quero ver esta história acabar e que os culpados sejam punidos."

Circula entre as pessoas um abaixo-assinado "pelo fim da impunidade", explica a responsável pela iniciativa, a vendedora Lucineire Gomes Castilho, de 43 anos. "Por esse e por outros crimes peço justiça", disse a vendedora. Quando tiver colhido mil assinaturas, ela pretende levar o documento até Brasília. "Quero entregar nas mãos do presidente da República." Por enquanto, porém, não há mais o que 50 assinaturas no documento.

    Leia tudo sobre: isabella

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG