Irmãos Dardenne em busca da terceira Palma de Ouro

Os belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne, que já foram os vencedores do Festival de Cannes em duas ocasiões, com Rosetta (1999) e A Criança (2005), buscam sua terceira Palma de Ouro, com a exibição nesta segunda-feira (19) de Le silence de Lorna (O silêncio de Lorna).

AFP |

Cineastas da realidade social, pintores deste quarto mundo que os países ricos deixam à margem do caminho, os irmãos Dardenne abordam desta vez a migração e as redes criminosas criadas a seu redor.

"Le silence de Lorna" é antes de mais nada o retrato de uma mulher que tem os sonhos dilapidados pela culpa e que se aferra a uma esperança inexistente.

Lorna é uma albanesa que emigrou para a Bélgica e sonha em comprar um bar com o namorado. Para obter a nacionalidade belga se torna cúmplice de uma rede mafiosa que organiza um casamento de fachada com um viciado em drogas, Claudy.

O acordo é que, uma vez belga, se case com um mafioso russo, para que este obtenha por sua vez, em troca de muito dinheiro, a cobiçada nacionalidade. E para que o negócio seja concretizado rapidamente, deve ficar viúva.

Claudy se aferra a Lorna e suplica sua ajuda para conseguir abandonar as drogas. Para evitar o crime, a jovem pede o divórcio, mas a máfia é mais rápida.

Os Dardenne filmam a história de Lorna com planos menos próximos aos personagens e com uma narrativa mais pausada e distante que em seus longas anteriores.

"Queríamos olhar esta mulher, queríamos gravá-la, mais que descrevê-la com a câmera", explicou Luc Dardenne na entrevista coletiva após a exibição do filme.

"O que nos interessa são os personagens, os seres humanos, mostrá-los sem julgamento", acrescentou Jean-Pierre Dardenne.

Os dois diretores contaram que se inspiraram em um caso real para construir a personagem da "mulher culpada que tenta viver com sua culpa".

"Le silence de Lorna" é protagonizado pela atriz kosovar Arta Dobroshi, que teve que aprender francês para rodar o filme, e pelos belgas Jéremie Renier e Fabrizio Rongione, atores que já trabalharam com os Dardenne, o primeiro em "A promessa" e "A Criança" e o segundo em "Rosetta" e "A Criança".

Os Dardenne pertencem ao clube exclusivo dos cineastas agraciados duas vezes com a Palma de Ouro.

O sérvio Emir Kusturica, o dinamarquês Bille August e o japonês Shosei Imamura, falecido em 2006, completam o grupo.

O segundo filme em competição nesta segunda-feira, "Two lovers" do americano James Gray, protagonizado por Joaquin Phoenix, Gwyneth Paltrow e Isabella Rossellini, será exibido à imprensa somente à noite.

Descoberto e premiado no Festival de Veneza com seu longa de estréia, "Fuga para Odessa" em 1994, Gray participa pela terceira vez no Festival de Cannes, onde já apresentou "Caminho Sem Volta" em 2000 e "Os Donos da Noite" em 2007.

Leia mais sobre: Festival de Cannes

    Leia tudo sobre: festival de cannes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG