Irmão e filha de milionário da Mega-Sena devem depor nesta terça-feira

RIO DE JANEIRO ¿ O julgamento dos dois ex-seguranças do milionário René Senna, assassinado em janeiro de 2007, entrou em seu segundo dia nesta terça-feira. A expectativa é de que sejam ouvidas hoje as testemunhas de defesa dos dois réus, no Fórum de Rio Bonito, no Estado do Rio de Janeiro. De acordo com o Tribunal de Justiça (TJ), irão depor cinco testemunhas para cada um.

Redação com Agência Estado |

Entre as testemunhas de defesa do ex-PM Anderson Silva de Souza estão Miguel Senna, irmão da vítima, e Renata Almeida Senna, filha do milionário. Um forte esquema de segurança foi montado ao redor do Fórum de Rio Bonito e a rua foi fechada para o trânsito.

Anderson Silva de Sousa e o funcionário público Ednei Gonçalves Pereira são acusados de serem os autores dos disparos que mataram René. Eles foram denunciados por homicídio duplamente qualificado e furto também qualificado. Os réus passaram a noite na delegacia de Rio Bonito, que fica nas imediações do Fórum.

Início do julgamento

AE

Adriana, acusada de encomendar a morte do marido

Ontem, o julgamento começou ao meio-dia, com três horas de atraso, e foi encerrado à 1h10 da madrugada desta terça-feira. A filha de René Senna, Renata, e três dos 11 irmãos do milionário acompanharam a sessão. Amigos do ex-PM Anderson Silva de Sousa também compareceram ao fórum com camisetas em defesa dele.

O corpo de jurados, cinco mulheres e dois homens, ouviu os depoimentos de Luís Penco, dono do bar onde a vítima foi assassinada. Em seguida, prestou depoimento Gelson Correa que conversava com René na hora do crime; os ex-seguranças Adalberto Ferreira Lucena e Sérgio Luiz Alves da Silva; Roberto Ramalho Guimarães, ex-administrador da fazenda do milionário, e José Maurício Alonso Pinheiro, assistente da diretoria da Corregedoria Geral Unificada.

Segundo a denúncia, a morte de René Senna foi encomendada pela viúva do milionário, Adriana Ferreira Almeida, e envolveria mais três pessoas: o cabo da Polícia Militar, Marco Antônio Vicente; o sargento Ronaldo Amaral de Oliveira, o China; e a professora de educação física, Janaína Silva de Oliveira, mulher de Anderson. Estes, porém, entraram com recursos e ainda não têm data prevista para irem a júri popular.

Dos seis denunciados, apenas Anderson Silva e Ednei Gonçalves Pereira estão presos.

Relembre o crime

Ganhador de R$ 51,8 milhões da Mega-Sena em 2005, René Senna foi morto a tiros ao ser surpreendido quando tomava cerveja em um bar, na localidade de Lavras, no município de Rio Bonito. O milionário estava com amigos, quando dois homens chegaram numa motocicleta e dispararam contra ele. A cabeça foi atingida por quatro tiros.

De acordo com a denúncia do MP, Adriana teria oferecido recompensa a cinco pessoas para que planejassem e executassem o crime. Entre os motivos, seria o de que ela sabia que Senna pretendia terminar o relacionamento e excluí-la do testamento.

Por causa da diabetes, René Senna tinha as duas pernas amputadas. Antes de virar milionário, ele vendia doces na beira da estrada. Em 2005, ganhou sozinho o prêmio da Mega-Sena. Casou-se, então, com Adriana, que é ex-cabeleireira e teria passado a cuidar das finanças do casal. Ela o mantinha afastado da família, acusam amigos e parentes.

Veja mais sobre o caso:

Leia mais sobre: René Senna

    Leia tudo sobre: milionáriorené senna

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG