Investimento em pesquisa deve ganhar fôlego após vacina antiaids

Pesquisadores brasileiros comemoraram os resultados da vacina antiaids. Alexandre Grangeiro, do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), considerou os dados com o protocolo usado na Tailândia “uma novidade promissora”.

Agência Estado |

Ele recorda que as atuais estratégias para conter a epidemia parecem ter chegado a um ponto de estagnação. “Uma vacina contribuiria para avançar no combate à doença.”

Os resultados negativos obtidos com outras vacinas teriam contribuído para diminuir os esforços na área. “O novo protocolo reverte essa perspectiva negativa”, diz. “As pesquisas devem receber um novo ânimo.”

O responsável pela unidade de pesquisa em vacinas do Centro de Referência e Tratamento em DST/aids de São Paulo, Artur Kalichman, considera importante pesquisas amplas como a feita na Tailândia. “É a primeira vez que surge uma resposta imunológica ao vírus produzida por uma vacina”, aponta. “Com os fracassos anteriores, muita gente disse que não valeria a pena realizar testes clínicos tão cedo.”

Paulo Teixeira, consultor do Programa das Nações Unidas para Aids, também aponta que os investimentos podem crescer. A maior parte, atualmente, vem de programas governamentais e instituições sem fins lucrativos. Teixeira e Kalichman apontam que o resultado pode animar a iniciativa privada a investir mais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG